Bloco e PCP num Governo PS? “Não vale a pena estragar uma boa amizade com um namoro mal sucedido”, diz Costa

O primeiro-ministro considera que o modelo da gerigonça funciona bem, sem necessidade dos três partidos se juntarem num Governo.

António Costa rejeita a possibilidade do Bloco de Esquerda e do PCP integrarem um Governo liderado pelo PS.

O primeiro-ministro considera que o modelo da gerigonça funciona bem, sem necessidade dos três partidos se juntarem num Governo, caso o PS saia vencedor das eleições legislativas que vão ter lugar em outubro.

“Esta clareza das posições é muito saudável, mas também implica nas limitações sobre a intensidade da relação. Por isso, aquilo em que conseguimos convergir tem sido suficiente para uma muito boa amizade, mas é insuficiente para podermos termos um casamento”, começou por dizer António Costa em entrevista à SIC.

“As pessoas dizem que não vale a pena estragar uma boa amizade com um namoro mal sucedido, aqui é um bocado assim”, afirmou o primeiro-ministro na entrevista dada após as eleições europeias.

A única possibilidade de os três partidos de esquerda se juntarem num Governo, seria se Bloco e PCP alterassem as suas posições políticas.

“A não ser que houvesse uma evolução tal das posições politicas que permitisse outro tipo de relacionamento. Não antevejo que nenhum dos partidos esteja disponível para se descaracterizar o suficiente para que essa solução fosse possível”, disse o primeiro-ministro.

Relacionadas

PSD e CDS preparam nova estratégia política para evitar “derrota” nas legislativas

A fim de evitar um efeito de contágio nas legislativas, que decorrem dentro de quatro meses, ambas as direções políticas prepararam mudanças e planeiam uma nova estratégia política para o próximo confronto eleitoral.

Quem vai ocupar os 21 lugares de Portugal no Parlamento Europeu?

Os resultados das eleições europeias em Portugal deram vitória ao PS, com 33,38 % dos votos. O resultado permite-lhe eleger nove eurodeputados. Já o PSD elege seis e o PAN estreia-se em Bruxelas e Estrasburgo. Conheça a nova configuração da representação portuguesa no Parlamento Europeu.

António José Seguro recusa comentar se vitória do PS “é menos que poucochinho”

O ex-dirigente do PS, António Galamba, considera, no artigo de opinião, que a votação socialista “nem é clara nem grande” e que a vitória do PS “é menos que poucochinho”. António José Seguro que, há cinco anos, ganhou as eleições europeias com 31,4% , recusa comentar os resultados alcançados pelo partido neste domingo e se partilha da opinião do seu antigo braço direito . António Costa considerou que votação de 33,39% foi “expressiva, clara e inequívoca”.
Recomendadas

Biden e Putin: tentar salvar a face, cada um à sua maneira. Veja “A Arte da Guerra”

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.
Comentários