Boeing já conhecia os problemas do 737 antes dos dois acidentes, mas nunca informou companhias aéreas

A falha no alerta do cockpit do 737 Max foi detetato em maio de 2017 e, de acordo com a empresa, os engenheiros da Boeing analisaram a questão e “determinaram que a ausência do alerta não causava impacto adverso na segurança ou na operação do avião”.

A Boeing não informou o regulador da aviação norte-americana (FAA – Federal Aviation Administration) nem as companhias aéreas de que o alerta do cockpit do Boeing 737 Max não funcionava corretamente, segundo uma nova declaração da fabricante norte-americana divulgadas no domingo, 5 de maio.

Só quando um avião Boeing 737 Max 8 caiu ao largo da costa da Indonésia, em outubro de 2018, após leituras erradas feitas por um software acionado por um único sensor que acabou por empurrar o nariz do avião para o solo e fez com que os pilotos perdessem o controlo do avião, é que a Boeing entrou em contacto com as operadoras aéreas e a FAA. Neste acidente, morreram todos os 189 ocupantes.

De acordo com a “Bloomberg“, que cita o comunicado da fabricante norte-americana, a Boeing já sabia do erro antes do acidente na Indonésia. Em março deste ano, um novo acidente com um Boeing 737 Max causou a morte a 157 pessoas. Este último documento da Boeing suscitou novas questões sobre o desenvolvimento e testes realizados ao 737 Max e sobre a falta de transparência da empresa.

A falha no alerta do cockpit do 737 Max foi detetado em maio de 2017 e, de acordo com a empresa, os engenheiros da Boeing analisaram a questão e “determinaram que a ausência do alerta não causava impacto adverso na segurança ou na operação do avião”. A empresa decidiu que a configuração era aceitável até que os dois alertas pudessem ser desvinculados durante a próxima atualização de software.

Relacionadas

CEO da Boeing continua no cargo apesar dos dois acidentes mortais com os 737 MAX

Dennis Muilenburg prometeu reconquistar a confiança do público, após a reunião anual da transportadora aérea, na qual foi interrogado sobre as falhas que provocaram a queda de dois Boeing 737 MAX que vitimaram quase 350 pessoas.

Maior cliente da Boeing não sabia da desativação do sistema de segurança

A maior cliente da Boeing, a companhia aérea Southwest Airlines, admite que não foi informada sobre o sistema de segurança dos modelos aviões 737 MAX ter sido desligado.

Alguns Boeing 737 MAX estiveram para ficar em terra em 2018

Os aviões estiveram perto de ficar em terra após saberem que o fabricante tinha desativado um sinal de alerta relativo ao “software” de controlo de voo.
Recomendadas

Amazónia: Brasil diz que disponilizou aviões e 44 mil soldados para combater incêndios

Os ministros da Defesa e do Ambiente anunciaram os planos para combater as chamas na Amazónia, que já levaram a protestos internacionais e manifestações no Brasil, devido à forma como o Presidente, Jair Bolsonaro, lidou com a crise ambiental.

Boris Johnson defende que UE deve “deixar cair” rede de segurança irlandesa para evitar um não acordo

O dispositivo previsto no tratado do ‘Brexit’ para a fronteira irlandesa, entre a parte da ilha que inclui o Reino Unido e a República da Irlanda que é membro da UE, constitui um dos principais pontos de desacordo entre Londres e Bruxelas.

União Europeia quer ouvir propostas “realistas e aceitáveis” de Johnson sobre o ‘brexit’

Tusk recordou que Johnson será o terceiro primeiro-ministro britânico com o qual aborda o “brexit”, salientando que não está disponível para colaborar numa saída sem acordo do Reino Unido da união Europeia, prevista para 31 de outubro.
Comentários