Bolívia: Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos contra o uso excessivo da força policial

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, denunciou este sábado “o uso desnecessário e desproporcional da força” pela polícia e pelo exército” na Bolívia.

UN Photo/Cia Pak

Segundo adiantou Michele Bachelet, que foi Presidente do Chile entre 2014 e 2018, em comunicado, o uso excessivo da força pelas forças de segurança bolivianas “é extremamente perigoso” e poderá conduzir a uma “situação degenerativa”.

O ex-Presidente boliviano Evo Morales, que se refugiou depois de abandonar o cargo, defendeu que a ONU a deveria mediar a crise política no país e admitiu pedir a intervenção da Igreja Católica e do papa Francisco, numa entrevista recentemente divulgada pela agência de notícias Associated Press.

“Tenho muita confiança na ONU”, declarou Morales, que expressou o desejo de ver aquele organismo mundial como “um mediador, não apenas um facilitador, talvez acompanhado pela Igreja Católica”. E, “se for necessário, o papa Francisco”, acrescentou.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, enviou um representante à Bolívia por forma a apoiar os esforços para encontrar uma solução pacífica para a crise social e política naquele país.

Morales afirmou ter sido deposto do cargo através de um golpe de Estado que o forçou a exilar-se no México.

A líder interina da Bolívia, a senadora Jeanine Anez, foi reconhecida por alguns países, mas enfrenta uma batalha árdua na organização de novas eleições.

A Constituição boliviana estabelece que um Presidente interino tem 90 dias para organizar uma eleição. .

A renúncia de Morales surgiu após protestos em todo o país por suspeita de fraude eleitoral na eleição de 20 de outubro, na qual o então governante alegou ter conquistado um quarto mandato.

Uma auditoria da Organização dos Estados Americanos constatou irregularidades generalizadas no escrutínio.

Grande parte da oposição a Morales foi desencadeada pela recusa do chefe de Estado boliviano em aceitar um referendo que o poderia proibir de concorrer a um novo mandato.

Ler mais
Recomendadas

Partido de Evo Morales procura candidatos de consenso às presidenciais na Bolívia

O partido do ex-presidente da Bolívia Evo Morales revelou que irá procurar candidatos de consenso para as próximas eleições presidenciais e irá tomar mais tempo a consultar as bases, depois de uma reunião falhada na escolha de potenciais candidatos.

Ucrânia e FMI chegam a acordo para empréstimo de cinco mil milhões de euros

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, anunciou que a organização financeira alcançou um acordo com as autoridades da Ucrânia para um empréstimo de cinco mil milhões de euros em três anos.

Diretor de centro social teme agitação em caso de novo referendo no Reino Unido

O diretor de um centro comunitário na cidade inglesa de Hartlepool, uma das mais pobres do Reino Unido e onde quase 70% dos eleitores votaram ‘Brexit’, teme que um segundo referendo provoque agitação civil no país.
Comentários