Bolsa de Nova Iorque abre em alta. Farfetch dispara 30% após divulgar resultados

A empresa de ‘e-commerce’, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares).

A Bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão desta sexta-feira, 15 de novembro, em terreno positivo, acompanhando o sentimento das praças europeias e reagindo à divulgação das contas de empresas como a Farfetch, a Applied Materials [+8,12%, para 61,63 dólares] ou a JD.com [+2,68%, para 34,47 dólares].

Os três principais índices norte-americanos abriram no ‘verde, depois de na sessão de ontem o S&P 500 ter renovado máximos históricos. Cerca de 10 minutos após o arranque da sessão, o industrial Dow Jones somava 0,32% para os 27.872,08 pontos, o financeiro S&P 500 ganhava 0,33%, para os 27.872,08 pontos, e o tecnológico Nasdaq avançava 0,43%, para os 8.515,17 pontos. Já o Russel 2000 estava a ser marcado por uma valorização de 0,47%, para 1.596,50 pontos.

Em termos empresariais, destaque a tecnológica Farfetch, que dispara 31,82%,para 9,86 dólares. A empresa de e-commerce, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares). Já me aftermarket as ações do ‘unicórnio’ luso-britânico tinham subido 15% após a apresentação dos resultados.

“Os comentários de Larry Kudlow sobre a guerra comercial, sinalizando uma aproximação entre os Estados Unidos e a China para fecharem o acordo de “fase um” acabam por dar suporte às ações. Este é de resto um driver já que os indicadores macroeconómicos divulgados deixam fracas perspetivas para a economia norte-americana, isto depois da desaceleração do ritmo de crescimento das vendas a retalho, do arrefecimento do ambiente industrial em Nova-Iorque e a maior contração da produção industrial”, explica Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

Para os analistas do Bankinter, esta “hipotética tendência mais positiva” consolidar-se-á ou não dependendo de como saiam as vendas a retalho nos Estados Unidos da América, o que se espera que sejam “razoavelmente boas (+0,2% versus -0,3% anterior)”. “Caso cumpram com as expectativas, podemos dar como certo um fecho positivo da semana para as bolsas”, sublinham, numa nota de mercado.

Em relação aos preços do petróleo, a cotação do barril de Brent está a subir 0,45%, para 62,43 dólares, enquanto a cotação do crude WTI soma 0,48%, para 57,04 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro aprecia 0,25% face ao dólar (1,1049) e a libra valoriza 0,23% perante a divisa dos Estados Unidos (1,2910).

Notícia atualizada às 15h06

Ler mais

Recomendadas

Produção industrial dá sinais de recuperação em maio na UE e zona euro, mas ainda regista quedas homólogas abruptas

Após dois meses de forte contração, devido aos efeitos da pandemia da Covid-19, a produção industrial esboça uma recuperação na Unirão Europeia e na zona euro no mês de maio, de acordo com os dados divulgados pelo Eurostat esta terça-feira, 14 de julho.

Bolsa portuguesa acompanha Europa em queda. Setor energético pressiona PSI 20

Na bolsa portuguesa, 13 empresas cotadas desvalorizam e cinco negoceiam em alta.

Nasdaq lidera quedas em Wall Street

As tecnológicas acentuaram as perdas, nomeadamente as FAANG. A Facebook perdeu 2,48%, a Apple cedeu 0,46%, a Amazon tombou 3%, a Netflix afundou 4,23% e a Alphabet, dona da Google, caiu 1,74%. Também a Microsoft teve uma sessão negativa, desvalorizando 3,09%.
Comentários