Bolsa de Nova Iorque abre em alta. Farfetch dispara 30% após divulgar resultados

A empresa de ‘e-commerce’, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares).

A Bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão desta sexta-feira, 15 de novembro, em terreno positivo, acompanhando o sentimento das praças europeias e reagindo à divulgação das contas de empresas como a Farfetch, a Applied Materials [+8,12%, para 61,63 dólares] ou a JD.com [+2,68%, para 34,47 dólares].

Os três principais índices norte-americanos abriram no ‘verde, depois de na sessão de ontem o S&P 500 ter renovado máximos históricos. Cerca de 10 minutos após o arranque da sessão, o industrial Dow Jones somava 0,32% para os 27.872,08 pontos, o financeiro S&P 500 ganhava 0,33%, para os 27.872,08 pontos, e o tecnológico Nasdaq avançava 0,43%, para os 8.515,17 pontos. Já o Russel 2000 estava a ser marcado por uma valorização de 0,47%, para 1.596,50 pontos.

Em termos empresariais, destaque a tecnológica Farfetch, que dispara 31,82%,para 9,86 dólares. A empresa de e-commerce, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares). Já me aftermarket as ações do ‘unicórnio’ luso-britânico tinham subido 15% após a apresentação dos resultados.

“Os comentários de Larry Kudlow sobre a guerra comercial, sinalizando uma aproximação entre os Estados Unidos e a China para fecharem o acordo de “fase um” acabam por dar suporte às ações. Este é de resto um driver já que os indicadores macroeconómicos divulgados deixam fracas perspetivas para a economia norte-americana, isto depois da desaceleração do ritmo de crescimento das vendas a retalho, do arrefecimento do ambiente industrial em Nova-Iorque e a maior contração da produção industrial”, explica Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

Para os analistas do Bankinter, esta “hipotética tendência mais positiva” consolidar-se-á ou não dependendo de como saiam as vendas a retalho nos Estados Unidos da América, o que se espera que sejam “razoavelmente boas (+0,2% versus -0,3% anterior)”. “Caso cumpram com as expectativas, podemos dar como certo um fecho positivo da semana para as bolsas”, sublinham, numa nota de mercado.

Em relação aos preços do petróleo, a cotação do barril de Brent está a subir 0,45%, para 62,43 dólares, enquanto a cotação do crude WTI soma 0,48%, para 57,04 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro aprecia 0,25% face ao dólar (1,1049) e a libra valoriza 0,23% perante a divisa dos Estados Unidos (1,2910).

Notícia atualizada às 15h06

Ler mais

Recomendadas

OPEP vai proceder a novos cortes na produção de petróleo

Os produtores de petróleo liderados pela Arábia Saudita e pela Rússia concordaram em reduzir a produção em 500 mil barris por dia nos últimos três meses do acordo para conter a oferta. A Rússia queria menos cortes, os sauditas ainda mais.

Wall Street a crescer, mesmo com a incerteza no comércio mundial

As declarações de Donald Trump sobre o comércio mundial continuam a ser difíceis de entender. Aparentemente, o mercado mobiliário norte-americano decidiu seguir em frente.

Saudi Aramco levanta 25,6 mil milhões de dólares em OPV histórica

A petrolífera estatal da Arábia Saudita colocou as ações nos 8,53 dólares, um segmento mais elevado do intervalo de preço definido há cerca de um mês, aquando da apresentação do prospeto da operação pública de venda. A este preço, e ao colocar 1,5% do capital na bolsa de Tadawul de Riyadh, a Saudi Aramco foi avaliada em 1,7 biliões de dólares.
Comentários