Bolsa de Nova Iorque fecha em alta animada por anúncio de nova descida dos juros

A bolsa de Nova Iorque reagiu assim de forma positiva à decisão do banco central dos Estados Unidos de um novo corte nas taxas de juro em 25 pontos base para um intervalo entre 1,50% e 1,75%.

FILE PHOTO: Traders work on the floor at the New York Stock Exchange (NYSE) in New York, U.S., May 7, 2019. REUTERS/Brendan McDermid

A bolsa de Nova Iorque encerrou hoje com ganhos generalizados, num dia marcado pelo anúncio da Reserva Federal norte-americana (Fed) sobre um novo corte das taxas de juro, o terceiro deste ano.

No fecho das operações na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones subiu 0,43% para 27.186 e o S&P 500 valorizou 0,33% para 3.0346,77, batendo um novo recorde.

O índice composto Nasdaq, que aglutina as grandes tecnológicas, também cresceu 0,33% para 8.303,97.

A bolsa de Nova Iorque reagiu assim de forma positiva à decisão do banco central dos Estados Unidos de um novo corte nas taxas de juro em 25 pontos base para um intervalo entre 1,50% e 1,75%.

É a terceira descida consecutiva dos juros este ano, num esforço para mitigar a desaceleração da economia norte-americana, mas, no seu comunicado hoje divulgado, a Fed já não promete formalmente “agir para apoiar a expansão”, o que pode significar uma pausa nas descidas dos juros.

Relacionadas

Powell põe pausa e vê a política da Fed “apropriada”

Fed cortou esta quarta-feira a taxa de juro diretora para um intervalo de 1,50% a 1,75%. “Vemos que a posição atual da política provavelmente permanecerá apropriada enquanto as informações recebidas sobre a economia permanecerem consistentes”, justificou Jerome Powell.

Reserva Federal corta taxa de juro em 25 pontos base para 1,50%-1,75%

A instituição liderada por Jerome Powell não desiludiu os mercados e implementou novo corte de 25 pontos base. É a terceira descida na ‘federal funds rate’ este ano, mas o banco central sinalizou que poderá ser a última, pois deixou cair o compromisso de “agir de forma apropriada para sustentar a expansão económica”.
Recomendadas

Credores privados dizem que cobrar juros é essencial para manter ‘ratings’ 

Em causa está a assunção por parte de algumas agências de ‘rating’, como por exemplo a Moody’s, de que se os credores receberem menos do que o inicialmente contratualizado, isso configura um incumprimento financeiro, independentemente das razões e mesmo com o acordo dos credores.

Dados surpreendentes do emprego deram gás a Wall Street

Na última sessão da semana o Dow Jones disparou 3%, mas o recordista foi o tecnológico Nasdaq. O ‘rally’ deveu-se aos ganhos da banca e das companhias aéreas e de cruzeiros, das mais penalizadas durante o confinamento.

CMVM levanta suspensão da negociação das ações da SAD do FC Porto

A decisão surge depois de a SAD anunciar o adiamento do reembolso do empréstimo obrigacionista para 2021.
Comentários