Bolsa portuguesa acompanha Europa em queda. Mota-Engil tomba quase 10%

PSI 20 abriu a sessão desta segunda-feira a perder 0,62%, para 4.622,76 pontos, em linha com principais praças europeias.

O principal índice bolsista português (PSI 20) abriu a sessão desta segunda-feira a perder 0,62%, para 4.622,76 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

A justificação da negociação estar no vermelho no Velho Continente explica-se pelos indicadores no mercado de futuros, indicando que os investidores aguardam por mais informações sobre o desenvolvimento das vacinas para a Covid-19, com a expetativa que notícias positivas possibilitem alavancar novos ganhos na última sessão de novembro.

O mercado petrolífero também está a gerar muitas expetativas em torno dos investidores. Os países exportadores de petróleo e os Estados parceiros (OPEP+) não chegaram a um acordo para adiar o aumento da produção de barris, prevista para o próximo mês de janeiro. Esta segunda-feira decorre uma reunião formal da OPEP, sendo que os membros da OPEP e os seus parceiros tentaram chegar a um consenso antecipado no domingo, mas tal não foi possível.

Os países produtores de petróleo querem um adiamento do reforço da produção. A OPEP+ está dividida, sendo que a maioria dos Estados membros defende adiar o reforço da produção para depois de março.

Em Londres, o Brent, que é referência para Portugal, cai 8,54%, para 37,46 dólares. Já o WTI, em Nova Iorque, recua 1,58%, para 44,80 dólares.

O mercado cambial também está a influenciar os investidores. Pela quinta sessão consecutiva o dólar deprecia, com o euro a apreciar 0,06%, para 1,1970 dólares, face à divisa norte-americana.

Na bolsa portuguesa, o PSI regista dez empresas cotadas em queda, seis em alta e uma negoceia sem variação. As quebras da Galp Energia (3,43%), que acompanha a tendência do mercado petrolífero, e da Mota-Engil (-9,91%) impulsionam recuo do PSI 20.

A Mota-Engil é a cotada que mais afunda no arranque da sessão, sofrendo uma correção após ter fechado a sessão de sexta-feira a crescer mais de 14%. A Mota-Engil informou o mercado na sexta-feira que a chinesa CCCC adquiriu 23% do capital da construtora portuguesa por 169,4 milhões de euros.

Destaque ainda para a quebra do BCP (-0,94%) e da Altri (-1,20%).

Ler mais

Relacionadas

Chinesa CCCC compra 23% da Mota-Engil por 169,4 milhões de euros

A Communications Construction Company compra 55 milhões de ações a um preço de 3,08 euros por ação. O grupo de construção português vai convocar “em breve” uma assembleia geral para dar ‘luz verde’ ao conselho de administração para aprovar o aumento de capital.
Recomendadas

Wall Street negoceia em alta ligeira de olhos postos nos estímulos económicos

Os investidores em Wall Street estão expectantes quanto ao pacote de estímulos à economia e o plano de vacinação contra a Covid-19 prometido por Joe Biden.

Riscos sobre crescimento da economia da zona euro estão “menos pronunciados”, diz Lagarde

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse esta quinta-feira que as projecções económicas de dezembro se mantêm “válidas” e que os riscos sobre a economia estão “menos pronunciados” devido ao acordo do Brexit e ao início da campanha de vacinação.

Fundos de obrigações da GNB lideraram rentabilidades em 2020

No topo do ‘ranking’ surge o NB Obrigações Europa da GNB Gestão de Ativos. Gerido por Vasco Teles, o produto registou um retorno em 2020 de 13,27%. Quando relacionamos a rentabilidade com o risco, o retorno foi de 1,4%.
Comentários