Bolsas da Europa seguem em alta. Altri e Mota-Engil animam Lisboa

Apesar de a produtora de pasta e papel ter visto os lucros dos primeiros nove meses do ano afundarem 73,3% para 24,3 milhões de euros, o terceiro trimestre foi importante em termos de recuperação do EBITDA. A cair está apenas a Jerónimo Martins, cujos títulos deslizam 0,61%.

Cristina Bernardo

As bolsas europeias mantêm-se em terreno positivo na sessão desta sexta-feira, recuperando das fortes perdas de ontem. O índice português, PSI-20, avança 0,72% para os 4.398,99 pontos, impulsionado pelos ganhos dos CTT – Correios de Portugal (+2,78% para 2,40 euros), da construtora Mota-Engil (+3,13% para 1,38 euros), que esta semana anunciou três novos contratos em África no valor total de 171 milhões de euros, e da Altri.

As ações da produtora de pasta e papel estão a disparar 3,84% para 4,11 euros, depois de ontem terem sido publicados os resultados do terceiro trimestre, após o fecho do mercado. Apesar de a empresa liderada por José Pina ter visto os lucros dos primeiros nove meses do ano afundarem 73,3% para 24,3 milhões de euros, os meses de julho, agosto e setembro foram importantes em termos de recuperação do EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

A EDP – Energias de Portugal sobe 0,16% para 4,46 euros pouco depois de informar que, em conjunto com a Embraer, irá criar um avião elétrico, utilizando como base a aeronave EMB-203 Ipanema para desenvolver um sistema de armazenamento e recarga elétrico.

A cair está apenas a Jerónimo Martins, cujos títulos deslizam 0,61% para 13,83 euros.

No resto da Europa, o sentimento é igualmente otimista. O índice alemão DAX sobe 0,42%, o britânico FTSE 100 avança 0,59%, o espanhol IBEX 35 cresce 0,62%, o francês CAC 40 valoriza 0,52%, o holandês AEX sobe 0,77% e o italiano FTSE MIB soma 0,91%.

O Euro Stoxx 50 está a ser marcado por uma valorização de 0,58%. “Prosus e Inditex lideram os ganhos, enquanto Vonovia e Pernod Ricard são as que mais perdem”, explica o analista Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, numa nota de mercado.

“O sentimento de mercado continua a ser positivo e pró-bolsas. Não esqueçamos que o resultado das eleições americanas foi praticamente clarificado (confirma-se a vitória de Biden na Geórgia), os resultados das vacinas continuam a evoluir e a campanha de compras de Natal deverá servir de estímulo”, referem os analistas do Bankinter, em research.

O valor do ‘ouro negro’ está de novo a subir. O preço do petróleo WTI, produzido no Texas, sobe 0,88% para os 42,27 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a valorizar 1,11% para os 44,69 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro valoriza os ligeiros 0,02% face ao dólar, para 1,1875 dólares, e a libra esterlina avança 0,14% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,3279 dólares. Neste campo, os analistas da XTB destacaram que o dólar australiano e o dólar neozelandês sobressaíram com o “melhor registo de desempenho” no começo da sessão de hoje, enquanto o dólar norte-americano e o iene japonês registaram o pior desempenho.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha semana no verde com perspetiva de estímulo à economia a sobrepor-se à fraca criação de emprego

Apesar dos fracos números da criação de emprego em novembro, os mercados animaram-se com as declarações de Nancy Pelosi sobre um possível acordo bipartidário para um pacote de estímulos à economia americana, isto depois do líder do Senado ter admitido o mesmo na quinta-feira.

Bolsa de Lisboa fecha em alta numa sessão animada em toda a Europa

Galp dispara mais de 5% com subida do preço do petróleo, após o anúncio de um acordo da OPEP+ em suavizar os aumentos previstos de produção de crude. O BCP fechou em alta de mais de 2% e já está acima dos 12 cêntimos.

Vencedor de concurso da Católica Porto Investment Club alerta que CBDC são “questão de segurança nacional”

Nuno Loureiro, vencedor do concurso Champion Chip 2020, organizado pela Católica Porto Investment Club, alerta que a infraestrutura tecnológica que suporta moedas digitais emitidas por um banco central (CBDC) poderão ser alvo de ataques cibernéticos de outros Estados.
Comentários