Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

DR Daniel Leal-Olivas/ REUTERS

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu hoje o risco de não conseguir uma maioria absoluta nas eleições legislativas de quinta-feira e estas resultarem num parlamento dividido.

“Esta é uma eleição muito disputada. E precisamos de todos os votos. A única alternativa matematicamente [possível] a um governo Conservador com maioria absoluta é o risco real de outro parlamento dividido”, afirmou, após um discurso numa fábrica em Uttoxeter, Staffordshire, centro de Inglaterra.

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

Desde a dissolução do parlamento, a 06 de novembro, que as sondagens têm indicado consistentemente uma vantagem do Partido Conservador sobre o Trabalhista suficiente para garantir uma maioria absoluta.

“As sondagens podem estar erradas, e precisamos lutar por cada voto”, referindo que um parlamento dividido poderá resultar num bloqueio ao ‘Brexit’ devido ao peso dos partidos pró-europeus na Câmara dos Comuns.

Num comício em Carlisle, no norte de Inglaterra, Jeremy Corbyn saudou os militantes que têm ajudado na campanha, que acredita serem mais numerosos do que em 2017.

“Uma vitória na quinta-feira é um presente de Natal antecipado na sexta-feira”, afirmou o líder Trabalhista, que planeia concluir a campanha eleitoral em Londres na quarta-feira.

Ler mais
Relacionadas

Boris Johnson recria cena da porta do filme “O amor acontece”. Hugh Grant já criticou vídeo

Na nova versão, o primeiro-ministro britânico pede o voto ao seu eleitorado para que o Reino Unido consiga avançar no processo do Brexit. Hugh Grant, que entrou no filme, já criticou o filme.
Recomendadas

Pandemia e invasão do Capitólio levam a uma investidura invulgar

Contrastando com a habitual celebração que envolve a tomada de posse de um novo presidente nos EUA, a crise pandémica e a violência vista na capital há menos de duas semanas mudaram a tónica do evento deste ano. Ruas desertas, tropas armadas e vedações com arame farpado constituem o cenário da investidura do 46º presidente.

Depois de sentenciado a 30 dias de prisão, Navalny continua a ser incómodo para o Kremlin

Apesar da fraca popularidade interna, que abrange sobretudo os mais jovens, o envenenamento de Navalny catapultou-o para a atualidade global como a principal figura da oposição russa. Detido à chegada e sentenciado a 30 dias de prisão, é agora incerto como irá Putin lidar com o homem cujo nome se recusa a pronunciar.

Joe Biden: o 46º improvável presidente dos Estados Unidos

A primeira vez que imaginou ser presidente dos Estados Unidos foi em 1987. Não correu bem. À segunda tentativa, as coisas também começaram mal, mas o certo é que o senador de Delaware vai assumir a presidência dos Estados Unidos.
Comentários