Boris Johnson insultou franceses mas ministério pediu para retirar frase polémica

Informação sobre a ofensa aos franceses surge numa altura em que os críticos atacam Johnson, devido ao seu carácter imprevisível e pouco confiável. Ainda assim, a popularidade de Boris Johnson permanece alta entre o Partido Conservador e os britânicos.

É o favorito para se tornar o próximo primeiro-ministro britânico mas isso não afasta Boris Johnson das polémicas. O episódio em questão aconteceu o ano passado, mas só agora se tornou público, relata o ‘Daily Mail’ esta sexta-feira.

Durante a gravação de um documentário da BBC, Boris Johnson chamou merd** aos franceses, algo que a estação televisiva eliminou a pedido do Ministério das Relações Exteriores.

De acordo com o jornal, o então ministro responsável pela pasta das Relações Exteriores disse que os cidadãos franceses se comportavam como merd** em relação aos acontecimentos do Brexit. O mesmo ‘Daily Mail’ revelou então que o ministério pediu para retirar por excerto da gravação por temer repercussões do país.

“O programa foi concebido para refletir a vida no Ministério das Relações Exteriores. A equipa de produção tomou decisões sobre o conteúdo e está convencida de que o programa atingiu os seus objetivos e tem o conteúdo desejado”, revelou um porta-voz da BBC.

O documentário intitulado ‘Dentro do Foreign Office’ foi emitido em novembro de 2018 pelo canal ‘BBC Two’, e era constituído por três partes.

A informação sobre a ofensa aos franceses surge numa altura em que os críticos atacam Johnson, devido ao seu carácter imprevisível e pouco confiável. Ainda assim, a popularidade de Boris Johnson permanece alta entre o Partido Conservador e os britânicos.

Boris Johnson despediu-se do governo em julho do ano passado por discordar da estratégia do Brexit com a primeira-ministra Theresa May. Atualmente, está a concorrer contra Jeremy Hunt e é o favorito para ocupar o lugar de May em Downing Street.

Ler mais
Recomendadas

China suspende viagens organizadas na China e ao exterior devido ao coronavírus

A partir de segunda-feira as agências de viagens chinesas não poderão mais vender reservas de hotel nem viagens em grupo.

Xi Jiping adverte que “situação é grave” e “propagação do coronavírus acelera-se”

O Presidente chinês, Xi Jiping, admitiu hoje que a China enfrenta uma “situação grave” devido à “propagação acelerada” do novo coronavírus, mas assegurou que o país pode “vencer a batalha” contra o vírus.

Luanda Leaks: Ministra das Finanças de Angola diz que é preciso respeitar os órgãos judiciais

A ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, afirmou, em Davos, que é necessário “respeitar o trabalho dos órgãos judiciais” nos casos de alegada corrupção em Angola, lamentando que “apenas alguns” sejam mediáticos.
Comentários