Boris Johnson promete “New Deal” de 5,5 mil milhões de euros para recuperar economia britânica

Com o lema de “construir, construir, construir”, Boris Johnson quer imitar as políticas do ‘New Deal’ criado pelo presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt para a recuperação económica nos anos 30, após a queda da Bolsa de Valores de Nova Iorque, aponta a ‘BBC’.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, revelou esta terça-feira, 30 de junho, um plano de recuperação económico no valor de cinco mil milhões de libras (5,5 mil milhões de euros) para combater a crise gerada pela pandemia da Covid-19 no Reino Unido.

Com o lema de “construir, construir, construir”, Boris Johnson quer imitar as políticas do ‘New Deal’ criado pelo presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt para a recuperação económica nos anos 30, após a queda da Bolsa de Valores de Nova Iorque, aponta a ‘BBC’.

Após as críticas de que foi alvo, Boris Johnson quer reparar os danos económicos e remodelar o país, começando por acelerar o investimento de infraestruturas. “Não podemos continuar a ser prisioneiros desta crise”, disse o primeiro-ministro britânico em conferência de imprensa. “Temos de trabalhar rápido porque já vimos a quebra vertiginosa do PIB e sabemos que as pessoas estão preocupadas com os seus empregos e negócios”, acrescentou.

“Vamos construir hospitais, construir escolas e universidades. Também vamos construir verde e construir uma Grã-Bretanha mais bonita”, assumiu Boris Johnson.

O primeiro-ministro britânico revelou que os 5,5 mil milhões de euros representam 5% do investimento bruto do setor público no ano passado. De acordo com a ‘BBC’, o plano de recuperação inclui 1,5 mil milhões de libras (1,65 mil milhões de euros) para manutenção hospitalar e a erradicação de dormitórios de saúde mental, permitindo a construção de mais hospitais e melhorar a capacidade de centros de emergência e trauma no Serviço Nacional de Saúde.

O governo de Johnson vai ainda alocar 100 milhões de libras (110 mil milhões de euros) para 29 projetos rodoviários, cerca de 900 milhões de libras (990 milhões de euros) para projetos “prontos a escavar” em Inglaterra durante o presente ano e em 2021.

Entre 500 mil libras e um milhão de libras (550 mil e 1,1 milhões de euros) para as cidades financiarem gastos com melhorias de parques públicos, ruas públicas e transportes públicos. Mais de mil milhões de libras (1,1 mil milhões de euros) vão ser alocadas para a construção de novas escolas e 83 milhões de libras (91 milhões de euros) para a manutenção de prisões e de instalações para jovens, além de 60 milhões de libras (66 milhões de euros) para prisões temporárias.

Ler mais
Recomendadas

É oficial: Donald Trump retira Estados Unidos da OMS

“O Congresso recebeu a notificação de que o Presidente retirou oficialmente os Estados Unidos da OMS em plena pandemia”, escreveu no Twitter o senador democrata Robert Menendez. Washington e ONU já confirmaram.

“Gripezinha ou resfriadinho”. Imprensa brasileira relembra declarações de Bolsonaro sobre a Covid-19

Presidente sempre desvalorizou doença, comparando-a a uma “gripezinha” ou “resfriadinho” e promovendo o uso de hidroxicloroquina, que afirma já ter tomado. Reações das redes sociais também merecem destaque na imprensa.

Comprar uma marca de sapatos. Warren Buffett elege “erro mais terrível”

Embora Warren Buffett estivesse errado sobre as perspetivas da Dexter, reconheceu a ameaça que logo afundaria a empresa: os sapatos importados e baratos, vindos de países com baixos salários.
Comentários