Bósnia e Kosovo indignados com o Nobel da Literatura

Peter Handke, austríaco, esteve no funeral de Slobodan Miloseviv, acusado de crime de genocídio e de ser um negacionista do Holocausto.

Várias vozes na Bósnia e no Kosovo mostraram um profundo desacordo pela atribuição do Prémio Nobel da Literatura ao austríaco Peter Handke, considerado um admirador de Slobodan Milosevic e um negacionista dos crimes perpetrados durante as guerras na ex-Jugoslávia.

Handke esteve presente no funeral de Slobodan Milosevic – ex-presidente da Jugoslávia acusado de genocídio e de outros crimes de guerra entre 1991-1995 pelo Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia, TPIJ, que morreu em 2006 – havendo suspeitas de que teria proferido um elogio fúnebre.

Segundo a agência AFP, o ator bósnio Nermin Tulic, gravemente ferido durante o cerco a Sarajevo pelas forças sérvias (que causaram 11 mil mortos), comentou a atribuição com um Twitter violento para com o galardoado.

O líder político liberal de Sarajevo, Reuf Bajrovic, comentou por seu lado estranhar a escolha de um júri que acha que “Handke é um excelente escritor e que seu apoio a Slobo [Milosevic] e ao genocídio faz parte do seu grande trabalho”.

Sobrevivente de Srebrenica, onde mais de loito mil homens e adolescentes muçulmanos foram executados em poucos dias em 1995 pelas forças sérvias, Emir Suljagic, professor de Relações Internacionais em Sarajevo, escreveu, citado pela mesma fonte: “Um admirador de Milosevic e um negacionista do Holocausto ganha o Prémio Nobel de Literatura”

No Kosovo, cenário da última guerra na ex-Jugoslávia, entre forças sérvias e uma guerrilha albanesa pró-independência (13 mil mortos), a decisão também foi recebida com despeito. ‘Um admirador de Milosevic recebe o Prémio Nobel de literatura’, diz a primeira página de um jornal diário.

O académico Anders Olsson, secretário permanente da instituição sueca, justificou a escolha a Peter Handke, recorda a agência AFP: “este é um prémio literário, não é um prémio político, e é pelos seus méritos literários que lhe concedemos esse prêmio. Peter Handke é um grande escritor, com um grande trabalho por trás dele, e é exatamente isso que recompensamos”.

“É claro que discutimos essa controvérsia, também num sentido político, mas concluímos que ela não poderia guiar a nossa discussão. Ele é um autor formidável. Não consideramos Handke um escritor político. Não pertence a nenhuma falange ou partido político, não há alternativa política no seu mundo. A sua prosa expressa uma visão totalmente diferente”.

Ler mais
Relacionadas

Olga Tokarczuk e Peter Handke: quanto vão ganhar os novos ‘Nóbeis’ da Literatura

O prémio do ano passado é agora entregue depois de suspenso devido a um escândalo.
Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, a relação económica e geopolítica com os Estados Unidos continua a pesar mais.

Boris Johnson ameaça recuar na proposta do Brexit e convocar eleições antecipadas em caso de chumbo

Frustrado com o impasse interminável do Brexit, o governo britânico ameaçou que, caso a proposta seja chumbada mais uma vez, que retirará a moção relativa ao Brexit e avançará para eleições antecipadas previstas para antes do Natal. “De forma alguma vou permitir meses mais disto”, afirmou Boris Johnson.

Instagram elimina fotografias de um cozido galego por “violência gráfica”

Tudo aconteceu após um comensal galego postar fotos de uma refeição para celebrar o “primeiro cozido da temporada” durante o almoço do domingo. A meio da tarde, o gastrónomo teve uma surpresa por parte da rede social.
Comentários