BPI vende ações da Sonae SGPS e reduz participação para 4,802%

Antes desta venda, o BPI tinha 100.211.121 ações da Sonae SGPS, representativas de 5,011% do capital do grupo liderado por Cláudia Azevedo.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O banco BPI vendeu fora de bolsa 4.1756.332 ações da Sonae SGPS, reduzindo a sua participação de 5,011% para 4,802%, revela uma comunicação da instituição financeira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Antes desta venda, o BPI tinha 100.211.121 ações da Sonae SGPS, representativas de 5,011% do capital do grupo liderado por Cláudia Azevedo.

A venda de ações fora de bolsa teve lugar na terça-feira, segundo o comunicado divulgado pela CMVM na noite de sexta-feira.

Na sexta-feira, no encerramento da bolsa de Lisboa, as ações da Sonae SGPS registaram uma queda de 1,16%, cotando-se a 0,94 euros por título.

O Banco BPI é parte do Grupo CaixaBank, que detém 100% do capital do BPI.

 

Recomendadas

Trabalhadores da CGD em greve ao trabalho extraordinário até 14 de janeiro

A partir do próximo dia 13 de dezembro, data de início à greve às horas extraordinárias, os trabalhadores assumem que apenas vão cumprir as sete horas de trabalho.

Banco Montepio emite obrigações sobre 357 milhões de crédito ao consumo

A carteira “Pelican Finance” é uma titularização de crédito ao consumo performing. Não é por isso uma venda de carteira de malparado, explicou ao Jornal Económico fonte do banco. A titularização foi colocada junto de investidores institucionais internacionais, em cinco tranches colateralizadas.

Mckinsey alerta que bancos continuam com rentabilidades abaixo do custo de capital

A Mckinsey considera que a indústria, no seu conjunto, está preparada para uma recuperação que poderá colocar o return on equity (ROE) entre 7% e 12% até 2025. Mas o foco estará no modelo de negócio que os bancos adoptarem.
Comentários