Brasil vai apoiar Cabo Verde na elaboração de projectos de dessalinização de água para agricultura

Cabo Verde vai ter apoio técnico do Brasil na elaboração de projectos de dessalinização de água salobra para agricultura e de tratamento e reutilização de águas residuais, informou o presidente da Agência Nacional de Águas e Saneamento (ANAS).

Segundo Miguel Ângelo da Moura, esse compromisso foi assumido aquando da sua participação na reunião dos directores-gerais de recursos hídricos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu nos dias 30 e 31 de Julho, em Lisboa, Portugal.

O encontro culminou com a formalização da Rede dos Directores Gerais de Recursos Hídricos da CPLP, que terá como objectivo ajudar os países a cumprir o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável no que diz respeito a água e saneamento.

A rede deverá ainda acompanhar e apoiar a realização progressiva do direito humano, água e saneamento e promover a cooperação e assistência técnica entre as administrações de recursos hídricos nos Estados-membros da Comunidade.

É no âmbito dessa rede que, segundo Miguel da Moura, o Brasil vai disponibilizar apoio técnico para elaborar projectos de dessalinização e programas em matéria de irrigação e na procura de financiamento para implementação dos projectos.

Miguel da Moura adiantou que o grande desafio, actualmente, é a dessalinização da água do mar para o consumo humano e a economia e o tratamento e reutilização de águas residuais, ou seja, a água de esgoto para irrigação e a dessalinização de água salobra para a agricultura.

Neste contexto, o Brasil vai apoiar o arquipélago, uma vez que já desenvolveu tecnologia de baixo custo para dessalinização de água, com recurso a energias renováveis e tecnologias muito acessíveis aos agricultores, segundo Miguel da Moura.

Por outro lado, Cabo Verde vai beneficiar ainda de formações em matéria de hidrologia de superfície, ou seja, gestão de águas superficiais, acções que serão alargadas a Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Timor-Leste.

No seu ponto de vista, a criação dessa rede vai permitir ao país uniformizar os seus projectos programas com as melhores práticas internacionais a nível da CPLP e de outros países, sendo que Cabo Verde vai poder comparar o seu desempenho e a sua performance com esses estados e aproveitar de alguns projectos comuns e existentes.

Entretanto, Miguel da Moura assegurou que existe uma carteira de projectos enorme financiado inicialmente pelo Brasil a nível de formação técnica, capacitação e projectos de desenvolvimento na qual Cabo Verde e outros países vão poder beneficiar.

A Rede dos Directores Gerais de Recursos Hídricos da CPLP é presidida por Cabo Verde.

Ler mais
Recomendadas

Cabo Verde no 8º lugar da livre circulação entre os países lusófonos

Angola e São Tomé ocupam, no entanto, no conjunto dos países africanos lusófonos, os últimos dois lugares entre os mais restritivos à livre circulação de pessoas.

Estado de Cabo Verde quer estabelecer “parceria efetiva” com instituições do setor privado

O vice-primeiro-ministro de Cabo Verde considera que “Estado é um parceiro” e não quer ter monopólio ao nível da formação profissional dos jovens cabo-verdianos.

Macau anuncia bolsas de mérito para alunos lusófonos e do sudeste asiático

Para o corrente ano letivo, foram já selecionados 17 bolseiros provenientes dos países e territórios de língua portuguesa e dos países da Associação das Nações do Sudeste Asiático.
Comentários