Brexit. Banco de Inglaterra rejeita teoria de Boris Johnson e avisa que Reino Unido vai ser penalizado com taxas alfandegárias

O governador do banco central de Inglaterra afirma que cerca de 150 mil empresas ainda não têm a documentação necessária para continuar a exportar para a União Europeia num cenário de um Brexit sem acordo.

Frank Augstein/Reuters

O governador do Banco de Inglaterra Mark Carney avisou que o Reino Unido será severamente atingindo pelas taxas alfandegárias num cenário de um Brexit sem acordo, rejeitando a ideia contrária que Boris Johnson defendeu.

O candidato à liderança conservadora afirmou esta semana que algumas taxas não teriam necessariamente que ser pagas se o Reino Unido deixasse a UE sem um acordo, dado que o país britânico está protegido pelo artigo 24, o acordo geral sobre tarifas e comércio (GATT, sigla em inglês).

Alguns defensores do Brexit alegam que o GATT, estabelecido em 1947 pela Organização Mundial do Comércio (OMC), permitiria um “congelamento” no qual as taxas são evitadas, mesmo na ausência de qualquer acordo sobre o comércio.

Contudo, especialistas e autoridades comerciais já vieram refutar a afirmação. Em conversa com a BBC, Mark Carney esclareceu que “o GATT 24 aplica-se apenas se houver um acordo, não se se decidiu não estabelecer um acordo nem se não foi possível chegar a um.”.

“Não ter um acordo com a UE significa que há automaticamente taxas porque os europeus têm que aplicar as mesmas regras a todos os outros países”, continuou. “Se decidissem não aplicar essas taxas, também teriam que baixa-las aos Estados Unidos, ao resto do mundo. E o mesmo seria aplicado a nós”, concluiu.

Segundo Mark Carney, cerca de 150 mil empresas ainda não têm a documentação necessária para continuar a exportar para a União Europeia no caso de um Brexit sem acordo.

O governador do Banco da Inglaterra acrescentou que muitos haviam acumulado stocks de contingência, mas estes durariam apenas “semanas”. “Os negócios dependerão do que os governos são capazes de fazer para manter os portos abertos e o fluxo de comércio”, afirmou.

O Reino Unido agendou a saída da União Europeia para 31 de outubro, depois de pedir um adiamento em março.

Boris Johnson, considerado o favorito na corrida para suceder a Theresa May no cargo de primeiro-ministro, afirmou que o Reino Unido deverá sair em outubro, mesmo sem um acordo fechado.

Ler mais
Relacionadas

Boris Johnson vence segunda volta da votação para líder dos conservadores

Dominic Raab ficou fora da corrida porque não obteve os 10% de votos exigidos para passar ao próximo escrutínio, que acontece esta quarta-feira. Amanhã não conta a percentagem e será eliminado o último candidato à sucessão de Theresa May.

Brexit: saída sem acordo é praticamente inevitável

Saída de Theresa May da chefia do governo britânico e da frente de negociações do Brexit mudará alguma coisa? Aparentemente não, até porque o seu sucessor só pode ser da linha dura dos conservadores. E Bruxelas já não quer saber do assunto para nada.

Boris Johnson diz que Brexit sem acordo é “a última opção”

Com o início da campanha para assumir o lugar que os sapatos irreverentes que May deixam, Boris Johnson assumiu que não descarta um acordo com os parceiros europeus mas que o objetivo “não é chegar a um final mas sim a um acordo”.
Recomendadas

Brexit: Governo britânico admite abandonar negociações com a UE

Esta semana, Barnier manifestou-se “preocupações” em relação às recentes posições britânicas sobre a futura parceria entre Bruxelas e o Reino Unido, temendo um “distanciamento” dos compromissos assumidos por Londres.

Brexit: Operadoras não planeiam alterar condições das comunicações para o Reino Unido até ao fim do ano

O Reino Unido é atualmente um país extra-comunitário, embora esteja em vigor uma fase transitória até 31 de dezembro. Até ao fim do ano, as regras comunitárias ainda valem para o Reino Unido, estando Bruxelas e Londres a negociar eventuais acordos pós-Brexit. No que respeita às telecomunicações, Altice, NOS e Vodafone não vão alterar as condições dos seus tarifários sobre as comunicações entre Portugal e Reino Unido enquanto o período de transição estiver em vigor.

Brexit: Políticas de migração do Reino Unido “é um dos berbicachos” para Portugal, diz Santos Silva

As políticas de migração que o Reino Unido pretende assumir a partir de 2021 são “um dos berbicachos” que Portugal e a União Europeia têm pela frente, admitiu esta quarta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, no parlamento.
Comentários