Brexit e falência da Thomas Cook ameaçam crescimento de Cabo Verde, alerta S&P

“Cabo Verde é vulnerável a um abrandamento do crescimento da economia europeia devido à concentração de turistas europeus”, disse Ravi Bhatia, diretor do departamento africano na agência de notação financeira.

O diretor do departamento africano na agência de notação financeira Standard & Poor’s (S&P) disse esta terça-feira que o Brexit e a falência da operadora de turismo Thomas Cook podem afetar Cabo Verde devido à dependência do turismo.

“Cabo Verde é vulnerável a um abrandamento do crescimento da economia europeia devido à concentração de turistas europeus e, por exemplo, um ataque terrorista ou uma erupção vulcânica pode acabar com o crescimento do PIB” (Produto Interno Bruto), disse Ravi Bhatia, em declarações à Lusa.

Na semana em que a agência Lusa realiza uma conferência sobre o futuro da economia de Cabo Verde, o analista responsável pelo departamento africano explicou que o principal desafio do país é “crescer rapidamente e não ser demasiadamente dependente do turismo, da pesca e de ajuda e financiamento externo”.

O principal desafio é, no entanto, também a principal vantagem, já que Ravi Bhatia elencou à Lusa que a principal mais-valia, do ponto de vista da análise da qualidade do crédito soberano, é a boa oferta turística, com a proximidade à Europa e potencialmente ao Brasil e Estados Unidos, e também os vastos direitos de pesca que o país tem”.

Questionado sobre o elevado nível de dívida pública, cujo rácio ultrapassa os 100% do PIB, Ravi Bhatia desvalorizou a questão, lembrando que a gestão da dívida soberana “tem melhorado e o rácio da dívida sobre o PIB tem vindo a descer, com o Governo e endividar-se menos”, e acrescentou ainda que “a maioria da dívida é concessional”, ou seja, detida por instituições financeiras multilaterais que praticam taxas de juro mais baixas e prazos de amortização mais longos que os praticados na banca comercial.

No último relatório da S&P sobre o país, que resulta da visita dos analistas ao arquipélago em Agosto, a agência de notação financeira, que atribui um ‘rating’ B, ou seja, nível especulativo ou abaixo da recomendação de investimento, com Perspetiva de Evolução Estável, prevê um crescimento de 4,9% até 2022.

“Atualmente, os riscos para o crescimento estão principalmente relacionados com um abrandamento do número de turistas, e o Governo está a trabalhar para reduzir o peso muito alto da dívida, antecipando um progresso modesto até 2022”, lê-se no relatório que sintetiza a opinião da S&P sobre a qualidade do crédito soberano de Cabo Verde.

“Estimamos que a dívida pública seja de 106% do PIB no final deste ano, o que é alto a nível global e uma das maiores entre os países africanos que analisamos”, apontam os peritos da S&P, notando que o grande aumento desde 2015 “reflete principalmente o extenso programa de investimentos do Governo, que é na maior parte financiado por dívida de longo prazo concessional com taxas de juro muito baixos, de 1 a 2%”.

Ler mais
Recomendadas

Empresários e contabilistas destacam oportunidade da Grande Baía para Macau e Portugal

Maria da Assunção Abdula, presidente da Federação das Mulheres Empresárias e Empreendedoras da CPLP, apelou à união entre empresários dos países de língua portuguesa. Maria Carolina Lousinha, da Aicep, diz que a agência está disponível para ajudar na internacionalização para Macau.

Decore esta data. UNESCO decreta o Dia Mundial da Língua Portuguesa

“É a primeira vez que a UNESCO toma uma decisão destas em relação a uma língua que não é uma das línguas oficiais da UNESCO. Por unanimidade, as pessoas reverem-se na ideia de que é importante um dia mundial da língua portuguesa é muito importante”, afirmou António Sampaio da Nóvoa em declarações à agência Lusa.

Cabo Verde receberá em março Encontro Internacional da Juventude Africana

O chefe de Estado cabo-verdiano fez o anúncio da realização deste encontro durante o discurso de abertura do I Fórum Nacional da Juventude, que decorre até sábado na ilha de São Vicente, numa parceria do Governo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).
Comentários