Brexit: mercados reagem bem mas investidores estão ‘de olho’ no Parlamento britânico

Críticas da oposição penalizaram o sentimento dos investidores, após o líder dos Trabalhistas se ter manifestado em relação ao acordo alcançado entre a União Europeia e o Reino Unido, que terá que ser ainda votado.

Os mercados reagiram positivamente numa primeira fase ao anúncio de um acordo para o Brexit entre o Reino Unido e a União Europeia, mas a atenção dos investidores e analistas está agora centrada nas negociações no parlamento britânico, com uma postura mais prudente.

O Stoxx 600 avançou para máximos de 2018, aquando do anúncio de ‘fumo branco’ entre o executivo comunitário e o Reino Unido, “não só porque não era o momento esperado para o mesmo, como também não era o desfecho previsto”, explica Tiago Cardoso, responsável regional para a Península Ibérica da Infinox em declarações ao Jornal Económico. Mas no fecho dos mercados, o índice caiu para 0,10% para 393,08 pontos.

“Embora o anúncio do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia seja uma boa notícia para a libra, o principal obstáculo do acordo que está em aprovação no parlamento do Reino Unido continua”, considera Petr Krpata, chief EMEA FX e IR strategist do ING, numa nota de research divulgada esta quinta-feira.

As críticas da oposição penalizaram o sentimento dos investidores, após o líder dos Trabalhistas, Jeremy Corbyn, se ter manifestado em relação ao acordo alcançado entre a União Europeia e o Reino Unido, que terá que ser ainda votado.

“[A não aprovação pelo parlamento britânico] complicará muito a política interna. O principal objetivo de Johnson é pressionar por uma eleição . Mas o tempo está a terminar para garantir que possa ser mantido antes do final do ano (requer pelo menos 25 dias entre a dissolução do parlamento e o dia da votação) e se o governo continuar a ser envolvido nas negociações do Brexit, uma eleições nos próximos dois meses parece altamente improvável”, Peter Dixon, economista para o Reino Unido do Commerzabank, numa nota de research.

O analista destaca que “se o parlamento ratificar o acordo, no entanto, o Reino Unido entrará num acordo de transição que minimizará os riscos económicos de estar fora da UE”.

Os efeitos positivos na economia britânica são destacada pelos analistas. “Ainda não temos todos os detalhes, mas se o acordo for aprovado no Parlamento no sábado, veremos um crescimento mais forte na economia do Reino Unido à medida que a nuvem de incerteza do Brexit se eleva”, refere Keith Wade, economista-chefe da Schroders, numa nota de research.

“É importante ressaltar que este é um grande passo para evitar um Brexit sem acordo, onde o Reino Unido teria saída da União Europeia (UE), possivelmente causando uma recessão prejudicial”, realça o analista.

Ler mais

Relacionadas

Quem ganha e quem perde com o novo acordo para o Brexit

O analista da Allianz Global Investors fez uma lista dos setores que saem a ganhar e a perder. Segundo Matthew Hall, os bancos britânicos e o setor imobiliário vão acumular os maiores ganhos.

Corbyn rejeita acordo para o Brexit: “Este é ainda pior do que o acordo de Theresa May”

Corbyn garante que o acordo alcançado entre o Reino Unido e os 27 colocará em risco a segurança alimentar e o serviço nacional de saúde do país. O líder trabalhista apela para que o documento seja rejeitado na próxima sessão parlamentar este sábado.

Boris Johnson diz que é “um grande acordo” para o Brexit. Mas ainda precisa da aprovação do Parlamento britânico

Boris Johnson prepara-se agora para enfrentar acordo o Parlamento britânico no sábado. Imprensa britânica prevê dificuldades em fechar o acordo com a oposição na Câmara dos Comuns.
Recomendadas

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

Estado britânico distingue empresas que fazem a ligação entre Portugal e o Reino Unido

O Department for International Trade (DIT) vai pela 11ª vez galardoar as empresas britânicas que investiram em Portugal e as empresas portuguesas que investiram no Reino Unido.

Angola vai aos mercados buscar até 3 mil milhões de dólares

Numa nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, o gabinete de estudos do Banco Fomento Angola diz que a equipa do Ministério das Finanças reuniu-se com vários investidores na semana passada em Nova Iorque, numa operação que será apoiada pelo Deutsche Bank, ICBC e Standard Chartered.
Comentários