Britânicos gastam 243 milhões de euros em apostas sobre próximo presidente norte-americano

Valor apostado nestas eleições norte-americanas é, até agora, o maior montante combinado entre os quatro eventos desportivos mais apostados: combate de boxe entre Floyd Mayweather e Conor McGregor em 2017, Mundial de Futebol de 2018, a corrida de cavalos Grand National de 2019 e o Super Bowl de 2020.

As eleições norte-americanas são daqui a três dias e apesar de os Estados Unidos estarem em suspense relativamente ao novo presidente, os britânicos já fazem apostas sobre quem passará os próximos quatro anos na sala oval da Casa Branca. Os britânicos já gastaram 220 milhões de libras (243 milhões de euros) em apostas sobre quem será o presidente norte-americano, avança a CNN.

Os britânicos já superaram a quantia aposta em qualquer evento desportivo ou político do Reino Unido. A Betfair Exchange, que gere a maior bolsa de apostas online do mundo, foi a empresa que registou o maior valor de apostas, ainda que seja ilegal apostar em eleições.

A quantia de dinheiro apostada nas eleições norte-americanas de 2020 já superou o anterior recorde de 199 milhões de libras (221 milhões de euros) na disputa entre Donald Trump e Hillary Clinton em 2016. Por sua vez, a aposta também recolheu mais dinheiro do que a votação do referendo do Brexit, também em 2016, que arrecadou 113 milhões de libras (125,5 milhões de euros).

A três dias de se conhecer o próximo presidente dos Estados Unidos, a Betfair estima que o valor das apostas chegue aos 400 milhões de libras (444,3 milhões de euros). “O interesse pelas apostas estendeu-se além dos jogadores políticos”, explicou Pete Watt, gestor de relações públicas da OddsChecker.

Até agora, quem tem apostado em Donald Trump tem melhores hipóteses de lucro. Uma aposta de 10 libras (11 euros) no atual presidente dá um retorno de 18,80 libras (20,90 euros), contra o lucro de 5,26 libras (5,84 euros) no candidato democrata Joe Biden. Estas apostas dos cidadãos britânicos dão 34,8% de hipóteses de reeleição de Trump.

As apostas dos britânicos são mais simpáticas para Donald Trump do que as previsões norte-americanas. O FiveThirtyEight.com, site de previsões políticas, dizem que Joe Biden tem 89% de hipóteses de ganhar as eleições. Apesar de Trump ir à frente nas apostas, os britânicos que têm apostado no ex-vice-presidente têm gasto mais dinheiro e fazem apostas maiores.

O valor apostado nestas eleições norte-americanas é, até agora, o maior montante combinado entre os quatro eventos desportivos mais apostados: o combate de boxe entre Floyd Mayweather e Conor McGregor em 2017, o Mundial de Futebol de 2018, a corrida de cavalos Grand National de 2019 e o Super Bowl [final do campeonato de futebol americano] de 2020.

Além de 2020, os apostadores britânicos têm os olhos postos já em 2024. Joe Biden e o atual vice-presidente Mike Pence estão empatados com 16,7% de probabilidades de serem eleitos presidentes daqui a quatro anos. Kamala Harris, candidata democrata a vice-presidente, encontra-se em segundo lugar com 14,3% de ser bem sucedida, seguida pela congressista democrata Alexandria Ocasio-Cortez, mais conhecida por AOC, com 5,9% de probabilidade de deixar o Câmara dos Representantes e chegar à presidência.

Caso perca este ano, as apostas dão 4,8% de probabilidades de Trump voltar a ser eleito em 2024, estando abaixo da ex-governadora republicana da Carolina do Sul, Nikki Haley, com 5,3% de hipóteses de ser presidente dos Estados Unidos.

Ler mais
Relacionadas

PremiumEUA: Entre o fim da era Trump e a repetição da surpresa

Todas as sondagens indicam que o democrata Joe Biden terá mais votos na terça-feira, mas o atual presidente conta repetir a vantagem no colégio eleitoral. Garantida a contestação a qualquer resultado, teme-se o caos.

Presidenciais nos EUA: Trump desdobra-se em quatro comícios na Pensilvânia

O Estado da Pensilvânia elege 20 Grandes Eleitores e, por isso, é determinante para o resultado final no dia 03 de novembro, data da eleição presidencial.

“A Caminho da Casa Branca”: Últimos esforços de Biden e Trump junto dos 3% de indecisos. JE analisa corrida presidencial

A corrida presidencial nos EUA está ao rubro e o “Jornal Económico”, através do jornalista António Freitas de Sousa, vai analisar todas as incidências de uma eleição que se prevê muito disputada, numa semana marcada peço esforços dos candidatos em convencer os 3% de indecisos que ainda restam.
Recomendadas

Eleições EUA: Agência norte-americana certifica vitória de Biden e Trump dá instruções para iniciar transição

O ainda Presidente dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump, “recomendou” à sua equipa e à Administração dos Serviços Gerais do país que iniciassem os protocolos para a transição da atual administração para a de Joe Biden, com o presidente-eleito a conseguir aceder a fundos federais.

EUA: Joe Biden vence recontagem na Geórgia e retira margem de manobra a Donald Trump

Na Geórgia, o democrata derrotou o presidente cessante por 12.284 votos, numa margem ainda mais pequena do que os iniciais 14 mil votos de diferença anunciados. Após o anúncio, Biden afirmou que Donald Trump mostrou “uma incrível irresponsabilidade” ao não assumir a derrota.

Eleições EUA: Recontagem na Geórgia confirma vitória de Joe Biden

A margem de vitória foi tão pequena que foi feita uma recontagem manual. A diferença diminuiu ligeiramente, ficando Joe Biden agora com pouco mais de 12.200 votos à frente.
Comentários