Bruxelas alarga prazo para Estados-membros comunicarem se querem mudança de hora

Os Estados-membros da União Europeia (UE) tinham até abril para comunicar a sua intenção, mas o prazo deve ser alargado para março de 2020, a fim de possibilitar a todos um debate mais aprofundado sobre a medida.

A Comissão Europeia vai alargar o prazo para os países comunicarem se querem ou não manter a mudança da hora duas vezes por ano. Os Estados-membros da União Europeia (UE) tinham até abril para comunicar a sua intenção, mas o prazo deve ser alargado para março de 2020, a fim de possibilitar a todos um debate mais aprofundado sobre a medida.

O órgão executivo da UE indica que a grande maioria das partes interessadas é favorável à suspensão das mudanças de hora sazonais. Mas para quem ainda não se decidiu, a Comissão Europeia vai dar mais tempo. Em Portugal, o Governo de António Costa já disse que não vai abolir a mudança da hora, argumentando que não há nenhuma razão “para que se contrarie a ciência e se faça algo de forma discricionária”.

Um estudo feito por Bruxelas revelou que a maioria dos europeus inquiridos (76%) tem uma experiência negativa com a transição da hora de inverno para a hora de verão. Quase metade dessas respostas (43%)  estavam relacionadas com questões de saúde e preocupações neste domínio, enquanto 20 % eram justificadas pela inexistência de poupanças de energia.

“A variedade de questões de saúde relacionadas com a hora de verão é ampla, abrangendo os efeitos a curto prazo (ou seja, durante os dias que se seguem à mudança) e os efeitos a longo prazo, assim como os efeitos positivos e negativos. No entanto, o impacto relevante na saúde humana das perturbações do ritmo biológico devidas à mudança de hora continua a ser pouco claro e requer uma investigação mais aprofundada sobre o processo de adaptação à mudança de hora”, lê-se no parecer da Comissão Europeia.

Tendo em conta as experiências negativas e os efeitos nocivos para a saúde, a Comissão Europeia decidiu tomar em consideração “os efeitos potencialmente adversos da mudança de hora para a saúde, que foram objeto de inúmeros estudos e debates”. Os estudos mostram que pode haver ligação entre a mudança para a hora de verão e o risco de ataques cardíacos, a perturbação do ritmo biológico, a privação de sono, a falta de concentração e de atenção, o aumento do risco de acidentes, níveis mais baixos de satisfação em geral e, até, taxas de suicídio.

Recomendadas

Presidente da Boeing: ”Estamos a tomar as medidas necessárias para garantir a total segurança do 737 MAX”

“A Boeing está a finalizar o desenvolvimento de uma atualização de ‘software’ e a revisão do manual de treino dos pilotos para corrigir os erros dos sensores MCAS”, disse o presidente da companhia Dennis Muilenburg em comunicado.

Bolsonaro apoia Trump: “Nós vemos com bons olhos a construção do muro”

Posição foi assumida pelo chefe de Estado brasileiro numa entrevista emitida hoje pelo canal de televisão norte-americana Fox News, no âmbito da visita que Jair Bolsonaro está a realizar, desde domingo, aos Estados Unidos.

Sempre colado ao telemóvel? Esta aplicação impede os ‘zombies’ dos smartphones de serem atropelados

Em 2017, na Coreia do Sul, mais de 1.600 mil pedestres foram mortos em acidentes na estrada, o que representa cerca de 40% do total de mortes no trânsito, segundo dados do Traffic Accident Analysis System. Esta aplicação ajuda os pedestres a estarem mais atentos aos carros.
Comentários