Bruxelas alarga prazo para Estados-membros comunicarem se querem mudança de hora

Os Estados-membros da União Europeia (UE) tinham até abril para comunicar a sua intenção, mas o prazo deve ser alargado para março de 2020, a fim de possibilitar a todos um debate mais aprofundado sobre a medida.

A Comissão Europeia vai alargar o prazo para os países comunicarem se querem ou não manter a mudança da hora duas vezes por ano. Os Estados-membros da União Europeia (UE) tinham até abril para comunicar a sua intenção, mas o prazo deve ser alargado para março de 2020, a fim de possibilitar a todos um debate mais aprofundado sobre a medida.

O órgão executivo da UE indica que a grande maioria das partes interessadas é favorável à suspensão das mudanças de hora sazonais. Mas para quem ainda não se decidiu, a Comissão Europeia vai dar mais tempo. Em Portugal, o Governo de António Costa já disse que não vai abolir a mudança da hora, argumentando que não há nenhuma razão “para que se contrarie a ciência e se faça algo de forma discricionária”.

Um estudo feito por Bruxelas revelou que a maioria dos europeus inquiridos (76%) tem uma experiência negativa com a transição da hora de inverno para a hora de verão. Quase metade dessas respostas (43%)  estavam relacionadas com questões de saúde e preocupações neste domínio, enquanto 20 % eram justificadas pela inexistência de poupanças de energia.

“A variedade de questões de saúde relacionadas com a hora de verão é ampla, abrangendo os efeitos a curto prazo (ou seja, durante os dias que se seguem à mudança) e os efeitos a longo prazo, assim como os efeitos positivos e negativos. No entanto, o impacto relevante na saúde humana das perturbações do ritmo biológico devidas à mudança de hora continua a ser pouco claro e requer uma investigação mais aprofundada sobre o processo de adaptação à mudança de hora”, lê-se no parecer da Comissão Europeia.

Tendo em conta as experiências negativas e os efeitos nocivos para a saúde, a Comissão Europeia decidiu tomar em consideração “os efeitos potencialmente adversos da mudança de hora para a saúde, que foram objeto de inúmeros estudos e debates”. Os estudos mostram que pode haver ligação entre a mudança para a hora de verão e o risco de ataques cardíacos, a perturbação do ritmo biológico, a privação de sono, a falta de concentração e de atenção, o aumento do risco de acidentes, níveis mais baixos de satisfação em geral e, até, taxas de suicídio.

Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Sérgio Moro diz que aceitou ir para o governo para consolidar combate à corrupção

O ministro da Justiça brasileiro falou esta quarta-feira sobre supostas mensagens divulgadas pelo “The Intercept”.

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.
Comentários