Bruxelas faz ultimato à AstraZeneca e pede empenho na entrega de vacinas

Bruxelas exigiu esta quarta-feira o cumprimento do acordo assinado entre a Comissão Europeia e a farmacêutica AstraZeneca para entrega da vacina contra a Covid-19, orçado em 336 milhões de euros.

LUSA/OLIVIER HOSLET

A Comissão Europeia apelou esta quarta-feira ao “pleno empenho” da farmacêutica AstraZeneca na entrega atempada e nas doses acordadas de vacinas contra a covid-19 para a União Europeia (UE), fazendo um ultimato antes de uma nova reunião esta noite.

“Esta noite, às 18h30 [hora de Bruxelas, menos uma em Lisboa], o comité director vai reunir-se de novo e convido a AstraZeneca a empenhar-se plenamente, a reconstruir a confiança, a fornecer informações completas e a estar à altura das suas obrigações contratuais, sociais e morais”, vincou a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides.

A reunião desta quarta-feira, entre responsáveis da Comissão Europeia e representantes dos países da UE e da empresa, sucede-se a uma outra em que a farmacêutica prestou “explicações insuficientes”, que geraram uma “profunda insatisfação entre os Estados-membros”.

Segundo a informação dada esta quarta-feira por um alto funcionário da Comissão Europeia, o contracto assinado com a AstraZeneca foi orçado em 336 milhões de euros (embora apenas tenha sido paga uma parte da verba total). Bruxelas exige, então, o cumprimento do acordo, ameaçando com um processo legal.

A comissária europeia criticou, também, a postura da farmacêutica: “Rejeitamos a lógica do ‘primeiro a chegar, primeiro a ser servido’. Isso pode funcionar nos talhos do bairro, mas não nos contractos e não nos nossos acordos de compra antecipada, que não prevêem qualquer cláusula de prioridade”.

Em causa está a entrevista dada esta quarta-feira pelo presidente executivo da AstraZeneca, Pascal Soriot, a uma série de meios de comunicação europeus, argumentando que a UE não podia reclamar contra o fornecimento tardio da vacina contra a covid-19 dado ter assinado o contrato três meses depois dos britânicos. “Não poder assegurar a capacidade de produção é contra o escrito e o espírito do nosso acordo”, vincou Stella Kyriakides.

Relacionadas

AstraZeneca responde a Bruxelas. CEO relembra que Reino Unido fechou acordo três meses antes da UE

“Não estou à procura de desculpas, honestamente. Estamos a dar o nosso melhor”, afirmou Pascal Soriot, garantindo que é totalmente falso sugerir que a AstraZeneca pudesse estar a “tirar vacinas aos europeus para vender a outros, com lucro”.

Dos acordos secretos à proximidade com a Pfizer. Os segredos de Israel para o sucesso na vacinação

Com cerca de um terço da população já vacinada, é o país que mais vacinou contra a Covid-19. A proximidade com o CEO da Pfizer, a encomenda de milhões de doses antecipadamente e os testes-piloto marcam uma campanha de vacinação que está à frente.

Comissão Europeia pressiona farmacêuticas: “Empresas devem honrar os seus compromissos”

Numa altura em que os 27 já arrancaram com os processos de vacinação e o número de casos e a pressão sobre os hospitais continua a aumentar, Ursula von der Leyen relembra que Bruxelas investiu milhares de milhões na produção de vacinas e que as as farmacêuticas devem cumprir os contratos.
Recomendadas

Porto: STCP alerta para perturbações na manhã de quinta-feira

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) informou esta terça-feira que os serviços vão sofrer perturbações na manhã de quinta-feira, entre as 8h30 e as 14h00, devido à realização de um Plenário Geral de Trabalhadores.

Laboratórios de análises clínicas faturaram 520 milhões de euros em 2020

“A estimativa para 2021 aponta para que a evolução positiva da faturação deste setor se mantenha, quer devido à continuação da testagem, quer porque a atividade normal destas clínicas deverá entrar em recuperação”, revela a Informa D&B.

G Train, o luxo de um “palácio em carris” avaliado em 294 milhões de euros

O G Train é por enquanto um conceito, mas inclui entre os seus luxos garagem, terraço, e a possibilidade de inclusão de uma piscina.
Comentários