Cabeça de lista da CDU diz que “cada resultado deve ser considerado em função do quadro em que é construído”

João Ferreira lembra que se tratam apenas de projeções e salienta que “cada voto na CDU é um voto honrado e respeitado” para travar as lutas do povo e dos trabalhadores portugueses.  

O cabeça de lista da Coligação Democrática Unitária (CDU), João Ferreira, reagiu às projeções dizendo que “cada resultado deve ser considerado em função do quadro em que é construído”. João Ferreira lembra que se tratam apenas de projeções e salienta que “cada voto na CDU é um voto honrado e respeitado” para travar as lutas do povo e dos trabalhadores portugueses.

João Ferreira explicou que, nas últimas eleições (em 2014), Portugal estava perante um programa de intervenção da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) e uma “degradação da situação económica” do país. O cabeça de lista da CDU diz ainda que, nestes últimos anos, foi confrontada com várias “campanhas difamatórias que alimentaram preconceitos” e uma “menorização da intervenção” do partido.

As projeções da RTP e da SIC apontam para uma queda no número de eurodeputados eleitos pela CDU. A sondagens da RTP coloca a CDU como quarta força política mais votada, com 7 a 9%, o que lhe permite eleger 2 eurodeputados. Já a sondagem da SIC enquadra as projeções da CDU entre os 5,3% e 8,3% dos votos, o que corresponde a 1 ou 2 eurodeputados. Já nas projeções da CMTV, a CDU consegue 7,8 a 8,8% e 2 eleitos.

O eurodeputado comunista lembra que as projeções “não são os resultados oficiais” e diz que “independentemente do resultado, está clara a necessidade de reforçar a CDU” e que o partido vai trabalhar para isso. “Trabalharemos para esse reforço e para o reforço das condições de vida do povo e dos trabalhadores portugueses”, afirmou.

Recomendadas

Miguel Gouveia diz que votar na Coligação Confiança é a “garantia da liberdade que se vive e sente” no Funchal

O candidato da Coligação Confiança considerou que no próximo fim-de-semana, “estaremos à altura da confiança dos funchalenses, porque ninguém quer voltar para trás, ninguém quer voltar a um passado de má memória, em que esta Câmara era um mau exemplo para todas as Câmaras do país, em termos financeiros, urbanísticos, na causa animal, na igualdade e na sustentabilidade e, acima de tudo, era um mau exemplo na liberdade que deve caracterizar o poder local autónomo”.
medina_candidatura_1

Sondagem. Medina com nove pontos de vantagem sobre Moedas

Sondagem feita para a “RTP/Público”, aponta que Medina poderá reeleger entre sete a oito vereadores, a um lugar da maioria absoluta. Já Carlos Moedas poderá eleger entre cinco a seis vereadores.

Apresentação de certificado digital nos restaurantes deve cair a 1 de outubro

A apresentação do documento de vacinação, recuperação ou testagem vai continuar a ser obrigatório para quem entra em Portugal através das fronteiras terrestres ou aéreas.
Comentários