Cabo Verde Airlines com novos voos Praia-Lisboa e Dakar

A rota Praia/Lisboa terá quatro frequências semanais, a partir de 30 de outubro, e Dakar a partir de 9 de dezembro, ligando a Paris.

Cabo Verde Airlines anunciou este fim de semana que já introduziu novas rotas na sua rede, a começar a partir de 30 de outubro com voos Praia/Lisboa e a 09 de novembro para Dakar. Em comunicado de imprensa enviado à Inforpress, a companhia aérea informou que as novas rotas foram introduzidas para o período de inverno Iata, de 29 de outubro de 2018 a 09 de mrço de 2019.

Segundo a mesma fonte, a rota Praia/Lisboa terá quatro frequências semanais, a começar a partir de 30 de outubro, e Dakar a partir de 09 de dezembro, ligando a Paris.

“Com isto a Cabo Verde Airlines assegura a ligação entre os quatro continentes, conforme plano definido com o grupo Icelandair”, lê-se no documento, que surge na sequência da notícia publicada, esta sexta-feira, num dos jornais da praça, dando conta que o Governo está à procura de um novo parceiro para a privatização da TACV.

Isto depois, segundo o jornal, de a companhia islandesa Icelandair ter exigido a gestão do Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, no Sal, além dos 51 por cento de participação na companhia cabo-verdiana.

A Cabo Verde Airlines assegurou, entretanto, que “mantém firme” o processo em curso de parceria estratégica com o grupo Icelandair e reforça a sua confiança neste processo.

Recomendadas

Justiça cabo-verdiana arquiva denúncia-crime do maior partido da oposição

A Procuradoria-Geral da República anunciou esta quinta-feira o arquivamento da denúncia-crime apresentada pelo maior partido da oposição (PAICV) contra a Câmara Municipal da Praia, que alegava “indícios de gestão danosa e irregularidades” na construção de um mercado.

Banco de Cabo Verde revê em alta crescimento económico para 2019

O novo relatório de política monetária do banco central cabo-verdiano aponta para um crescimento do PIB do país africano na ordem dos 5%.

Presidente de Cabo Verde veta lei sobre regime de execução da política criminal

Jorge Carlos Fonseca devolveu o diploma à Assembleia Nacional pela “inconstitucionalidade” de um dos artigos.
Comentários