Cabo Verde certifica unidades hoteleiras para garantir “turismo seguro”

Esta medida faz parte de um “amplo programa sanitário” para garantir a retoma da atividade turística programada para o mês de julho.

O Ministério do Turismo e Transporte cabo-verdiano vai certificar unidades hoteleiras e outros serviços que integram circuito do turista com o “selo de segurança sanitária” de forma a garantir um “turismo seguro” em Cabo Verde. Esta medida, segundo o governo liderado por Ulisses Correia e Silva, faz parte de um “amplo programa sanitário” para garantir a retoma da atividade turística programada para o mês de julho.

“O turismo, nos próximos tempos, irá ter que respeitar um conjunto de regras com acento tónico na segurança sanitária, para poder garantir ao visitante um ambiente seguro e demonstrar que Cabo Verde tem condições para se tornar num destino que reúne esses requisitos”, lê-se na nota enviada à agência noticiosa cabo-verdiana Inforpress.

Neste sentido, segundo a mesma fonte, uma “importante consultoria internacional”, está a trabalhar no programa de segurança sanitária, englobando vários sectores da economia, com ênfase no turismo e transportes.

Conscientes do problema eminente de saúde pública imposta pela covid-19 e também da importância do turismo para Cabo Verde, o Ministério do Turismo e dos Transportes, em concertação com o Ministério da Saúde e do sector de aviação civil está a implementar o conceito de “Cabo Verde – Turismo Seguro”.

Este conceito, que consiste, segundo o executivo, num conjunto de boas práticas, procedimentos e protocolos, em “observância com normas da Organização Mundial da Saúde (OMS)”, que contemplam hotéis, bares, restaurantes e outros serviços de apoio ao turista. Estes que serão certificados com um “selo de segurança sanitária”.

“Este processo vai ser materializado, faseadamente, conforme as condições epidemiológicas o permitirem, em todas as ilhas de Cabo Verde”, lê-se no comunicado.

Paralelamente, conforme a mesma fonte, estão a ser preparados investimentos na área da saúde, entre os quais, a abertura do novo centro de saúde, em Santa Maria (Sal) e a remodelação do centro de saúde de Sal-Rei (Boa Vista).

“Estes centros serão dotados de equipamentos médicos, recentemente adquiridos na Bélgica e na China, transformando-os em unidades de diagnóstico e tratamento da covid-19, nas duas principais ilhas turísticas do país, consubstanciando-se num pilar integrante do Programa Sanitário em execução”, garantiu o Governo.

Em simultâneo está sendo revisto o plano de contingência preparado para prevenir e combater a doença envolvendo várias autoridades e com “reforço de algumas valências e adoção de novas medidas”, caso haja “algum incidente na perspetiva da retoma do turismo a breve trecho”.

“Estes três instrumentos estão a ser materializados numa lógica de interdependência com o objetivo de criar um sistema robusto de prevenção do novo coronavírus e no tratamento da covid-19 e, desta forma, criar um ambiente tranquilo, para os turistas disfrutarem as suas férias, em segurança e em liberdade, conjuntamente com os residentes locais”, sintetizou o Governo.

Cabo Verde regista 390 casos acumulados de covid-19, distribuídos pelas ilhas de Santiago (331), Boa Vista (56) e São Vicente (03). Do total, registaram-se quatro óbitos, dois doentes transferidos para os seus países e 155 doentes recuperados. O país tem neste momento 229 casos ativos.

Ler mais
Recomendadas

Número de pessoas infetadas em Angola sobe para os 462

O secretário de Estado indicou que a percentagem de testes reativos é inferior ao que era previsto, sendo a maior parte pessoas que expressaram imunidade e “poucas pessoas que estão em fase ativa da doença”.

Pandemia está a atingir a velocidade máxima em África

A pandemia está a atingir a velocidade máxima e, por isso, gostaria de fazer um apelo ao continente: temos de ser corajosos, arrojados e deliberados na implementação de medidas se saúde publica de forma generalizada”, disse John Nkengasong, diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana.

Banco Africano aprofunda previsão de recessão para até 3,4% este ano

O banco estima agora uma recessão de 1,7% até 3,4%, dependendo do cenário médio ou mais gravoso, e uma recuperação de entre 2,4% a 3% no próximo ano.
Comentários