Cabo Verde e Guiné Equatorial acordam facilitação de vistos

Os dois países estão a trabalhar para que a livre circulação entre os dois países seja possível até ao final de 2019. A visita do presidente Teodoro Obiang a este país africano foi encurtada a pedida do próprio, de acordo com fontes do Ministério dos Negócios de Cabo Verde.

Cabo Verde e a Guiné Equatorial assinaram quatro acordos nas áreas da facilitação de vistos para portadores de passaporte diplomático e de serviço; combate à dupla tributação; proteção de investimentos e reconhecimento mútuo das cartas de condução.

As parcerias foram assinadas pelo ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, o seu homólogo da Guiné Equatorial, Simen Oyono Esono Angue, na presença dos chefes de Estado Jorge Carlos Fonseca e Theodoro Obiang.

Segundo o governante cabo-verdiano, os dois países estão a trabalhar para a livre circulação entre os dois países ser possível até ao final do ano: “A isenção de vistos para portadores de passaportes diplomáticos e de serviço é uma etapa que era preciso fazer antes de se partir para a isenção” explicou.

Luís Filipe Tavares refere que, no quadro do projeto de mobilidade livre da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) isso será possível. “A proposta cabo-verdiana de livre circulação já está elaborada, ainda hoje a fiz circular entre os Estados-membros. Esperamos ter primeiro o apoio dos ministros de Administração Interna, que vão ter uma reunião no dia 27 na Cidade da Praia, e em julho teremos o Concelho de Ministros da CPLP, onde esperamos aprovar a proposta”, disse.

Simen Oyono Esono Angue afirmou que os acordos não podem ficar no papel: “Vamos trabalhar intensamente para que estes quatro acordos sejam implementados, para que possam servir para o desenvolvimento das nossas economias”, explicou aos jornalistas.

Questionado pela imprensa sobre a detenção, no Chade, de Andrés Esono (membro do partido da oposição Convergência para a Democracia Social), o ministro dos Negócios Estrangeiros da Guiné Equatorial recusou tecer comentários afirmado que o assunto não fazia parte da agenda desta visita.

Simen Oyono Esono Angue negou também a falar dos passos que a Guiné Equatorial irá dar para a abolição da pena de morte no seu país, anunciado para este ano, durante esta visita. “O nosso chefe de Estado já se pronunciou, e muito bem sobre esse assunto e eu não vejo necessidade de estar a responder de novo a essa questão”, frisou.

A visita que o presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, está a efetuar ao país foi encurtada. A deslocação a ilha de São Vicente, prevista para esta quarta-feira, foi cancelada a pedida do próprio, de acordo com fontes do Ministério dos Negócios de Cabo Verde.

 

Ler mais
Relacionadas

Guiné Equatorial promete fim da pena de morte “dentro de pouco tempo”

“Não é preciso pressa. Não podemos atuar com pressa. Temos de atuar dentro de um processo político que satisfaça as duas partes”, disse o presidente Teodoro Obiang esta segunda-feira, em Cabo Verde.
Recomendadas

Primeiro-ministro de Cabo Verde: “Não queremos criar modelo de turismo que aumente zonas de barracas”

Ulisses Correia e Silva disse que o governo cabo-verdiano está a investir 1,8 milhões de contos para dar qualidade e dignidade às zonas de barracas nas ilhas da Boavista e do Sal.

Partidos da oposição em Cabo Verde contestam meta de turistas

PAICV e UCID consideram que a meta de um milhão de turistas até 2021 não é ambiciosa, tendo em conta a potencialidades do país no setor.

Cabo Verde acredita que turismo étnico pode valorizar ilha de Santo Antão

Operadores turísticos e governo cabo-verdiano acham que a presença judaica na ilha traz oportunidades para desenvolver o local.
Comentários