Cabo Verde é um país menos corrupto

Cabo Verde melhorou a sua posição no Índice de Percepção da Corrupção, passando para 45º lugar (-2 lugares) no ‘ranking’ da Transparência Internacional.

Cabo Verde melhorou a sua posição no Índice de Percepção da Corrupção (IPC) de 2018, elaborado pela Transparência Internacional (TI). De acordo com o relatório divulgado esta terça-feira pela organização, Cabo Verde obteve 57 pontos em 100 (numa escala onde 100 é “muito transparente” e zero “altamente corrupto”).

A pontuação fez com que este arquipélago africano passasse do 48º para o 45º lugar, tornando o país no terceiro mais bem classificado na África Subsaariana, a seguir às Seicheles e ao Botsuana. A nível mundial é o 45º mais transparente, num universo de 180 países e territórios.

Entre os outros países africanos de língua portuguesa, o ranking da TI aponta que também São Tomé e Príncipe registou pontuações acima da média dos países de África Subsaariana – a região com pior prestação no IPC – e manteve os 46 pontos e a 64ª posição que tinha na edição anterior do índice.

Angola manteve os 19 pontos da avaliação anterior, mas melhorou a sua posição, passando do 167º para o 165º. Entre os países lusófonos com quedas significativas está Timor-Leste (14 posições) e de Moçambique (cinco posições).

Em sentido contrário, o Brasil teve a pior pontuação em sete anos, sendo apontado como um dos países a monitorizar. “O Brasil caiu dois pontos desde o ano passado para os 35. É a mais baixa pontuação no IPC em sete anos”, aponta a TI. A pontuação do Brasil fica também abaixo dos 44 pontos de média do continente americano, ocupando a posição 20 entre os 32 países.

Portugal desceu um lugar e ficou a dois pontos abaixo da média europeia (Europa Ocidental e União Europeia), que é de 66 pontos, mas 21 pontos acima da média global, de 43 pontos. No ranking situou-se a 30º, enquanto em 2017 era o 29º país mais transparente do mundo.

Os Estados Unidos também caíram quatro pontos, saindo dos 20 primeiros países pela primeira vez desde 2011. O relatório da organização internacional com sede em Berlim coloca colca o país “sob observação” ao lado da Hungria e do Brasil.

O índice de 2018 também realizou uma análise cruzada com vários índices de democracia e encontrou uma ligação clara entre ter uma democracia saudável e combater com sucesso a corrupção no setor público. Em geral, a avaliação anual promovida por esta ONG concluiu que “o fracasso contínuo dos países em controlar significativamente a corrupção está a contribuir para uma crise da democracia em todo o mundo”.

Ler mais
Relacionadas

Estes são os países mais corruptos do mundo

Segundo a Transparência Internacional, no ano passado, a maior parte dos países continuaram a fracassar na luta contra a corrupção, o que fez escalar uma crise democrática a nível mundial. As administrações menos transparentes do mundo integram no fim do índice com uma pontuação inferior a 20 pontos

Corrupção: Estes são os países mais transparentes do mundo

Segundo a Transparência Internacional, a maior parte dos países continuaram a fracassar na luta contra a corrupção, no entanto, não deixa de reconhecer o nível de transparência de alguns países.
Recomendadas

Acordo sobre mobilidade na CPLP será aprovado em julho em Cabo Verde

A data foi definida na V reunião dos ministros do Interior e da Administração Interna da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que terminou na cidade da Praia, capital de Cabo Verde, país que atualmente assume a presidência rotativa da instituição.

Cabo Verde Airlines e TAAG assinam acordo para voos Luanda-Sal

A parceria prevê que uma das companhias transporte passageiros da outra. Ou seja, se comprar um bilhete para um voo da Cabo Verde Airlines entre Luanda e Sal irá viajar num avião da transportadora aérea angolana.

CIN promete transformar Cabo Verde num país plataforma no Atlântico

Na tomada de posse dp gabinete de operacionalização deste Centro Internacional de Negócios, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, que considerou ser “obrigação” do governo criar novas oportunidades para os jovens.
Comentários