Cabo Verde já mobilizou cerca de 144 milhões de euros junto da parceiros internacionais

“Embaixadores, representantes das organizações internacionais, Banco Mundial, FMI, União Europeia, Estados bilaterais, todos demonstraram uma grande boa vontade em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde neste momento”, diz o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros.

@ Inforpress

O ministro dos Negócios Estrangeiros cabo-verdiano disse recentemente que Cabo Verde já mobilizou cerca de 144 milhões de euros junto dos parceiros internacionais, para fazer face aos impactos da pandemia de Covid-19, dos quais 75 milhões de euros já foram desembolsados.

Luís Filipe Tavares, que falava os jornalistas na sequência de um encontro entre o Governo cabo-verdiano e corpo diplomático acreditado na cidade da Praia, realçou a “boa vontade” e o engajamento da comunidade internacional em apoiar e acompanhar Cabo Verde a enfrentar essa crise com sucesso.

“Nós já mobilizamos qualquer coisa como 143/144 milhões de euros dos quais 75 milhões já foram desembolsados. É um processo que vai continuar, mas o importante aqui é que há grande vontade da comunidade internacional, dos países representados em Cabo Verde em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde nesse processo”, adiantou.

“Os embaixadores, os representantes das organizações internacionais aqui representadas, Banco Mundial, FMI, União Europeia, Estados bilaterais, todos demonstraram uma grande boa vontade em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde neste momento. É uma luta difícil, mas há um engajamento muito forte”, garantiu o governante.

O encontro promovido via videoconferência, por iniciativa do primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, foi oportunidade para fazer um ponto da situação epidemiológica do país e uma avaliação do impacto do novo coronavírus na economia e na sociedade cabo-verdiana.

Durante a reunião, foi ainda apresentada a visão de Cabo Verde para o período pós-Covid e, sobretudo, das medidas importantes que o Governo está a tomar para enfrentar a crise, sendo que a prioridade é salvar vidas e proteger as pessoas.

O orçamento retificativo e continuidade das medidas económicas e sociais também estiveram sobre a mesa. “Nós tivemos uma conversa muita franca e aberta. Em primeiro lugar, os representantes da comunidade internacional presentes em Cabo Verde felicitaram o Governo pela forma como estamos a gerir a crise. Todos foram unânimes em dizer que as medidas foram tomadas atempadamente, que o Governo está de parabéns, porque está a gerir bem a crise”, realçou Luís Filipe Tavares.

Ler mais
Recomendadas

Banco Africano aprofunda previsão de recessão para até 3,4% este ano

O banco estima agora uma recessão de 1,7% até 3,4%, dependendo do cenário médio ou mais gravoso, e uma recuperação de entre 2,4% a 3% no próximo ano.

Empresário Alex Saab regressa a cadeia no Sal por razões de segurança

Alex Saab, detido em Cabo Verde a pedido dos Estados Unidos, que o consideram testa-de-ferro do Nicolás Maduro, foi transferido para a prisão na ilha do Sal, alegando o tribunal razões de segurança.

Pandemia corta 4 milhões de euros aos órgãos de soberania em Cabo Verde

Os cortes previstos na proposta de Orçamento Retificativo afetam a Assembleia Nacional, o gabinete do primeiro-ministro e a Presidência da República, ao nível de dotações provisionais relativas a pessoal, “suspendendo os concursos de recrutamento não efetivados, bem como horas extras”, mas também nos gastos com combustíveis e outras despesas “de caráter não obrigatório”.
Comentários