Cabo Verde já mobilizou cerca de 144 milhões de euros junto da parceiros internacionais

“Embaixadores, representantes das organizações internacionais, Banco Mundial, FMI, União Europeia, Estados bilaterais, todos demonstraram uma grande boa vontade em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde neste momento”, diz o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros.

@ Inforpress

O ministro dos Negócios Estrangeiros cabo-verdiano disse recentemente que Cabo Verde já mobilizou cerca de 144 milhões de euros junto dos parceiros internacionais, para fazer face aos impactos da pandemia de Covid-19, dos quais 75 milhões de euros já foram desembolsados.

Luís Filipe Tavares, que falava os jornalistas na sequência de um encontro entre o Governo cabo-verdiano e corpo diplomático acreditado na cidade da Praia, realçou a “boa vontade” e o engajamento da comunidade internacional em apoiar e acompanhar Cabo Verde a enfrentar essa crise com sucesso.

“Nós já mobilizamos qualquer coisa como 143/144 milhões de euros dos quais 75 milhões já foram desembolsados. É um processo que vai continuar, mas o importante aqui é que há grande vontade da comunidade internacional, dos países representados em Cabo Verde em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde nesse processo”, adiantou.

“Os embaixadores, os representantes das organizações internacionais aqui representadas, Banco Mundial, FMI, União Europeia, Estados bilaterais, todos demonstraram uma grande boa vontade em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde neste momento. É uma luta difícil, mas há um engajamento muito forte”, garantiu o governante.

O encontro promovido via videoconferência, por iniciativa do primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, foi oportunidade para fazer um ponto da situação epidemiológica do país e uma avaliação do impacto do novo coronavírus na economia e na sociedade cabo-verdiana.

Durante a reunião, foi ainda apresentada a visão de Cabo Verde para o período pós-Covid e, sobretudo, das medidas importantes que o Governo está a tomar para enfrentar a crise, sendo que a prioridade é salvar vidas e proteger as pessoas.

O orçamento retificativo e continuidade das medidas económicas e sociais também estiveram sobre a mesa. “Nós tivemos uma conversa muita franca e aberta. Em primeiro lugar, os representantes da comunidade internacional presentes em Cabo Verde felicitaram o Governo pela forma como estamos a gerir a crise. Todos foram unânimes em dizer que as medidas foram tomadas atempadamente, que o Governo está de parabéns, porque está a gerir bem a crise”, realçou Luís Filipe Tavares.

Recomendadas

Parlamento angolano aprovou propostas de alteração à lei orgânica das eleições gerais

Para o deputado do MPLA Tomás da Silva, citado pela ANGOP, a lei vigente sobre as eleições gerais “foi aprovada num contexto completamente diferente do atual”, considerando a anunciada revisão como “necessária e urgente para evitar atrasos no processo de preparação e realização das eleições gerais de 2022”.

Angola com queda de 3,4% do PIB no primeiro trimestre

Governo angolano prevê que a economia do país saia este ano da recessão que enfrenta desde 2016, registando um ligeiro crescimento de 0,1%, ao passo que o Fundo Monetário Internacional antecipa uma recuperação de 0,4%.

Angola encaixou 756 milhões de euros com exportação de petróleo em junho

As vendas globais de petróleo em junho ascenderam assim a 2.320 milhões de dólares (1.969 milhões de euros), que por sua vez representaram receitas fiscais para o Estado angolano no valor de 572.949.521.082 kwanzas (756.348.594 milhões de euros).
Comentários