Cabo Verde: José Maria Neves eleito Presidente da República à primeira volta

O antigo primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves foi eleito à primeira volta com 51,1%, passado a ser o quinto Presidente da República de Cabo Verde, de acordo com os dados do apuramento provisório.

José Maria Neves, antigo primeiro-ministro, foi eleito Presidente de Cabo Verde à primeira volta, tendo atingido 51,5% dos votos. Carlos Veiga, também antigo primeiro-ministro e seu principal opositor, chegou aos 42,6% – com o candidato a já admitir a derrota e a felicitar o vencedor.

Atualmente professor universitário, José Maria Neves, de 61 anos, contou nesta candidatura com o apoio do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, na oposição), que liderou e pelo qual foi primeiro-ministro cabo-verdiano de 2001 a 2016.

José Maria Neves já foi dirigente partidário – presidente do PAICV e militante há cerca de 40 anos -, deputado nacional, presidente de câmara (Santa Catarina) e ministro.

Nestas sétimas eleições presidenciais o candidato Casimiro de Pina arrecadou até ao momento (97% das mesas apuradas) 3.254 votos (1,8%), Fernando Rocha Delgado 2.509 votos (1,4%), Hélio Sanches 2.102 votos (1,2%), Gilson Alves 1.546 votos (0,9%) e Joaquim Monteiro 1.365 votos (0,8%).

O chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, já felicitou José Maria Neves e manifestou-se certo de que se manterão “excelentes relações” bilaterais. De acordo com uma nota publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa “falou, esta noite, com os dois candidatos mais votados nas eleições presidenciais de hoje em Cabo Verde, José Maria Neves e Carlos Veiga, tendo-os saudado pelo desenrolar das eleições”.

O chefe de Estado português felicitou o Presidente eleito de Cabo Verde, José Maria Neves, pela vitória, “certo da continuação das excelentes relações entre os dois países e os dois povos irmãos, e desejando-lhe as maiores felicidades no exercício de tão importante mandato”, lê-se na mesma nota.

Também o primeiro-ministro português, António Costa, felicitou “com amizade” José Maria Neves por ter sido eleito Presidente da República de Cabo Verde à primeira volta e elogiou a democracia cabo-verdiana.

“Felicito com amizade José Maria Neves pela eleição à primeira volta nas presidenciais de Cabo Verde, em mais uma demonstração da estabilidade e força da democracia cabo-verdiana, fruto da transparência e credibilidade do seu sistema político”, escreveu o primeiro-ministro português, na sua conta oficial na rede social Twitte

As eleições presidenciais de Cabo Verde foram acompanhadas em todo o país por 104 observadores internacionais, sendo 30 da União Africana, numa missão liderada pelo diplomata e antigo ministro angolano Ismael Gaspar Martins, 71 da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e três da embaixada dos Estados Unidos da América na Praia.

Cabo Verde já teve quatro Presidentes da República desde a independência de Portugal em 1975, sendo o primeiro o já falecido Aristides Pereira (1975 – 1991) por eleição indireta, seguido do também já falecido António Mascarenhas Monteiro (1991 – 2001), o primeiro por eleição direta, em 2001 foi eleito Pedro Pires e 10 anos depois Jorge Carlos Fonseca.

Recomendadas

Covid-19: Guiné-Bissau quer que UE aceite o seu certificado digital de vacinação

Os certificados digitais de vacinação da Guiné-Bissau são emitidos presencialmente para evitar falsificações e cumprem as regras da Organização Mundial de Saúde (OMS), incluem um código QR e estão em três línguas internacionais – português, inglês e francês.

Covid-19: África do Sul sente-se “castigada” por ter detetado variante Omicron

“Esta última vaga de proibições de viagens equivale a punir a África do Sul por ter sequenciado o genoma e pela capacidade de detetar novas variantes mais rapidamente. A excelência científica deve ser aplaudida, não punida”, disse o Governo sul-africano num comunicado, dois dias depois de ter anunciado a descoberta.

Covid-19: Espanto e incertezas no último voo entre Moçambique e Portugal

O mal maior seria “ficar longe da família” na quadra festiva, porque depois do voo de hoje não se sabe quando haverá mais ligações para Portugal, apesar de as restrições preverem exceções, como voos humanitários ou de repatriamento – mas sem detalhes.
Comentários