Cabo Verde quer expandir rede de consulados na Europa

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde afirma que, sempre que se justificar, serão abertos novos consulados gerais, nomeadamente no Leste da Europa, anunciando um novo cônsul honorário para o Norte de França.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde afirma que, sempre que se justificar, serão abertos novos consulados gerais, nomeadamente no Leste da Europa, anunciando um novo cônsul honorário para o Norte de França.

“Como não temos missões diplomáticas em todos os países, onde temos uma comunidade importante e se se justificar, teremos um consulado geral. Foi o caso de Nice”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, em declarações aos jornalistas em Paris.

Luís Filipe Tavares esteve na capital francesa no final da última semana para um encontro com empresários e salientou a importância da representação consular também na angariação de investimento, anunciado um novo cônsul honorário para o Norte de França.

“Vamos ter cônsules honorários aqui em França, o próximo na região de Hauts-de-France, cobrindo Lille, Roubaix e Tourcoing. Temos lá comunidades importantes, mas também queremos captar investimento dessa região para o nosso país”, referiu o governante.

O Consulado Geral de Nice foi inaugurado oficialmente em julho deste ano pelo primeiro-ministro e serve uma comunidade de perto de 25 mil cabo-verdianos que vivem no Sul da França – a comunidade será ao todo de cerca de 100 mil pessoas em todo o país. Mas a expansão vai além de terras gaulesas, segundo o ministro.

“Estamos a densificar a rede consular da Europa de Leste, em países que conhecem menos Cabo Verde, como os países Bálticos, a Polónia, a Roménia, a Bulgária, a República Checa ou a Eslováquia. O objetivo é também captar o investimento desses países”, indicou Luís Filipe Tavares.

Ler mais
Recomendadas

Filha de emigrantes, ministra francesa mantém “laços extremamente profundos” com Cabo Verde

Com um percurso de mais de 30 anos no setor privado onde passou por várias empresas do ramo tecnológico como a Dell, Lenovo e Hewlett-Packard, Elisabeth Moreno aceitou este verão o convite do então recém-designado primeiro-ministro, Jean Castex, para integrar o Governo. Um desafio perante o qual não hesitou.

Cabo Verde vai anular dívidas de fornecimento de água e energia

Outra dessas medidas anunciadas será a atribuição do rendimento social de inclusão a mais 18 mil famílias cabo-verdianas, chegando a um total de 29 mil, superior às 25 mil previstas no programa do Governo.

Um dos quatro bancos ‘offshore’ de Cabo Verde avança com pedido de liquidação

A administração do Banco Privado Internacional (BPI) avançou com um pedido de liquidação da sociedade, conforme extrato da Conservatória da Praia.
Comentários