Cabo Verde quer expandir rede de consulados na Europa

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde afirma que, sempre que se justificar, serão abertos novos consulados gerais, nomeadamente no Leste da Europa, anunciando um novo cônsul honorário para o Norte de França.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde afirma que, sempre que se justificar, serão abertos novos consulados gerais, nomeadamente no Leste da Europa, anunciando um novo cônsul honorário para o Norte de França.

“Como não temos missões diplomáticas em todos os países, onde temos uma comunidade importante e se se justificar, teremos um consulado geral. Foi o caso de Nice”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, em declarações aos jornalistas em Paris.

Luís Filipe Tavares esteve na capital francesa no final da última semana para um encontro com empresários e salientou a importância da representação consular também na angariação de investimento, anunciado um novo cônsul honorário para o Norte de França.

“Vamos ter cônsules honorários aqui em França, o próximo na região de Hauts-de-France, cobrindo Lille, Roubaix e Tourcoing. Temos lá comunidades importantes, mas também queremos captar investimento dessa região para o nosso país”, referiu o governante.

O Consulado Geral de Nice foi inaugurado oficialmente em julho deste ano pelo primeiro-ministro e serve uma comunidade de perto de 25 mil cabo-verdianos que vivem no Sul da França – a comunidade será ao todo de cerca de 100 mil pessoas em todo o país. Mas a expansão vai além de terras gaulesas, segundo o ministro.

“Estamos a densificar a rede consular da Europa de Leste, em países que conhecem menos Cabo Verde, como os países Bálticos, a Polónia, a Roménia, a Bulgária, a República Checa ou a Eslováquia. O objetivo é também captar o investimento desses países”, indicou Luís Filipe Tavares.

Ler mais
Recomendadas

Maior apreensão de droga em Cabo Verde vai a julgamento a 27 de janeiro

O caso remonta a janeiro do ano passado, quando 11 cidadãos de nacionalidade russa foram detidos a bordo de um navio no Porto da Praia com 9.570 quilogramas de cocaína em “elevado grau de pureza”, incinerada pelas autoridades dias depois.

Funeral do estudante cabo-verdiano que morreu em Bragança realiza-se hoje

A Polícia Judiciária está a investigar a morte de Luís Giovani, que estudava no Instituto Politécnico de Bragança, cujos contornos ainda não são claros.

Presidente de Cabo Verde considera Moçambique referência democrática na CPLP

O Presidente cabo-verdiano defendeu que seria desejável que os resultados das eleições gerais fossem aceites por todas as forças políticas.
Comentários