Cabo Verde reforça fiscalização ao uso de máscara e descarta estado de emergência

“Nós verificamos que tem havido um certo relaxamento relativamente a esta matéria, nos serviços públicos e privados de atendimento, vamos fazer uma ação proativa, pedagógica, mas também com alguma determinação, para que possamos fazer novamente o uso de máscaras, evitar muitas aglomerações”, disse Ulisses Correia e Silva.

Fernando de Pina / Lusa

O primeiro-ministro cabo-verdiano disse esta terça-feira que o Governo vai dar diretrizes às autoridades policiais e de saúde para reforçar a fiscalização ao uso de máscara, mas descartou novos estados de emergência por causa da pandemia da covid-19.

“Nós verificamos que tem havido um certo relaxamento relativamente a esta matéria, nos serviços públicos e privados de atendimento, vamos fazer uma ação proativa, pedagógica, mas também com alguma determinação, para que possamos fazer novamente o uso de máscaras, evitar muitas aglomerações”, disse Ulisses Correia e Silva.

O chefe do Governo cabo-verdiano falava aos jornalistas, na cidade da Praia, no final de uma reunião do Gabinete de Crise para analisar a situação epidemiológica do país, que nas últimas semanas tem registado os números diários de novos casos mais elevados de covid-19 desde o início da pandemia.

Ulisses Correia e Silva anunciou que na quarta-feira vai ser realizada outra reunião, agora coordenada pelo ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, sobre as ações de fiscalização, em que vão ser dadas diretrizes à Polícia Nacional, à Inspeção Geral das Atividades Económicas (IGAE), Proteção Civil e à Direção Nacional de Saúde para assegurar uso de máscara.

“É fundamental continuar a proteger. Estamos na linha de conseguirmos aumentar a vacinação, os profissionais de saúde já foram grande parte vacinados, começamos com os idosos, estamos a fazer um grande esforço para termos mais estoque de vacinas, que é o instrumento mais poderoso e eficaz de combate à covid-19, mas até lá é importante continuar a fazer esta ação de prevenção”, apelou.

Além do reforço da fiscalização, o primeiro-ministro avançou que as autoridades vão aumentar a comunicação e a informação nas rádios, nas televisões e nas comunidades, esperando que haja uma “resposta positiva” dos cidadãos.

Disse ainda que o Governo não defende um novo estado de emergência, explicando que esse período pressupõe um conjunto de consequências económicas e sociais, com o encerramento de serviços, de empresas, que vão dificultar ainda mais a vida das pessoas.

“Utilizando os instrumentos que nós temos, que é boa comunicação, informação, fiscalização e controlarmos o nível de transmissão que é preciso reduzir. Esta consciência tem de ser coletiva. Não é políticos versus cidadão em guerra por causa da covid-19. Isto é uma responsabilidade de todos, de cada um, para podermos vencer esta batalha”, pediu.

A reunião aconteceu dois dias após as eleições legislativas, que reconduziram para mais um mandato de cinco anos na governação do país o Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Ulisses Correia e Silva.

Na quarta-feira, p Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, vai ouvir os representantes dos partidos com assento parlamentar, com vista à indigitação do primeiro-ministro, após a vitória do MpD nas eleições legislativas de domingo.

Questionado sobre a coerência de novas medidas depois das aglomerações verificadas durante a campanha, Ulisses Correia e Silva respondeu que esse período pressupõe funcionar e deixar funcionar a democracia e que é difícil evitar aglomerações.

“Mas nós temos responsabilidade de governar o país, não podemos ficar condicionados àquilo que aconteceu na campanha eleitoral. A responsabilidade primeira é com a saúde, com a vida, por isso faz todo o sentido que se reforce a mensagem sobre a necessidade de proteção”, frisou.

O primeiro-ministro sublinhou que não foi o Governo de Cabo Verde que esteve em campanha eleitoral, mas sim todos os partidos políticos, estando por isso ciente das dificuldades relativamente à contenção.

“Depois é preciso ter em conta que não se podem fazer leituras lineares. Não há nenhuma evidência de que o aumento do número de casos se deve neste momento às campanhas eleitorais, já antes havia uma tendência de crescimento”, referiu.

Ulisses Correia e Silva disse perceber alguma insatisfação das pessoas, mas não acredita em dificuldades ou resistência em impor novas medidas, salientando que o estado atual assim o obriga e que as pessoas fazem diferenciação entre a campanha eleitoral e a normalidade da vida no país.

“Foi isso que aconteceu nas autárquicas [em outubro de 2020], houve ajuntamentos, nem por causa disso houve disparar de casos. Não há essa ligação direta, apesar da sensação levar a dizer que as campanhas eleitorais podem contribuir”, terminou.

Cabo Verde registou na segunda-feira mais uma morte por covid-19 na ilha de São Vicente, de um total de 193 óbitos no país, e 162 novos infetados pelo novo coronavírus, elevando para 20.627 os casos positivos acumulados em todo o arquipélago.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.031.441 mortos no mundo, resultantes de mais de 141,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Ler mais
Recomendadas

Luanda avança com Bolsa de Diamantes de Angola em 2022

Numa abertura que será experimental, a BDA – Bolsa de Diamantes de Angola deverá arrancar no próximo ano, num processo liderado pelas empresas do sector, Sodiam e Endiama, referiu ao Jornal Económico uma fonte do Executivo de Luanda, explicando que o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, admitiu que a BDA pode vir a cooperar na comercialização de diamantes angolanos com o Antwerp World Diamond Center.

Covid-19: Angola com mais 263 casos e três mortes nas últimas 24 horas

Com os dados hoje divulgados, o país acumula 28.740 infeções por covid-19 desde o início da pandemia, 633 óbitos e 24.717 recuperados.

Cabo Verde regista mais um óbito e 367 infetados em 24 horas

Cabo Verde registou mais 367 novos infetados pelo novo coronavírus e um óbito em São Vicente nas últimas 24 horas, chegando às 230 mortes associados à doença.
Comentários