Cabo Verde vê no sistema de pagamento Makeba alternativa para aumentar inclusão financeira

A escolha de Cabo Verde para ser o primeiro país fora dos EUA a receber o serviço Makeba deve-se ao facto do país oferecer estabilidade política, cultura de abertura ao mundo e experiência no uso das tecnologias.

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, vê no sistema de pagamento Makeba, lançado esta quarta-feira, na Cidade da Praia, uma alternativa para aumentar a inclusão financeira em Cabo Verde.

“Todos nós sabemos que o sistema bancário tradicional está concebido para não incluir todos. Pelos custos das operações, pelos limites que estão estabelecidos para abertura das contas, e esse sistema Makeba vem criar uma alternativa que inclui muitos que têm operações, as vezes de pequeno montante, quando somamos a nível macro representa muito”, disse, durante a cerimónia realizada no mercado Platô.

Ulisses Correia e Silva realçou ainda outros impactos que esse instrumento poderá ter na facilitação da vida das pessoas: “Nós vimos há bocadinho as vendedeiras do mercado Platô que já utilizam os telemóveis para fazer operações de pagamentos, de recebimento. Fica tudo mais facilitado e no final do dia sai o relatório. Ficam a saber o que é que vendeu, quanto é que venderam, a quem é que venderam”..

Cabo Verde torna-se assim no primeiro país fora dos EUA a receber o lançamento do serviço Makeba, um sistema de pagamento móvel “de baixo custo e fácil de usar”, conforme indicou diretor executivo da Makeba Money, Yamandou Alexander.

Makeba, segundo Yamandou Alexander, nasceu da ideia de promover um maior acesso das pessoas aos serviços financeiros, com baixo risco e a abaixo custo, para permitir que o maior número possível de pessoas e empresas participem, não apenas na economia local, mas também na economia global de uma forma fácil e flexível, através dos seus telemóveis.

“Hoje em dia as pessoas e empresas em África e noutros países emergentes, não têm, ainda, total acesso a ferramentas e serviços financeiros úteis, acessíveis e seguros, que atendam as suas necessidades ou permitam que eles se possam libertar e desbloquear o seu verdadeiro potencial económico. E nós queremos mudar isso”, disse

A escolha de Cabo Verde para ser o primeiro país fora dos EUA a receber o serviço Makeba deve-se ao facto do país oferecer estabilidade política, cultura de abertura ao mundo e experiência no uso das tecnologias.

“Cabo Verde porque nos oferece uma combinação única de grande potencial económica, estabilidade política e uma população moderna, fortemente educada e experiente em tecnologia e uma cultura de abertura para o mundo, que é muito importante para economia global hoje”, sustentou.

Para chegar a Cabo Verde a Makeba Money estabeleceu uma parceira com o Banco BAI Cabo Verde, depois do Banco de Cabo Verde ter autorizado a entrada do aplicativo no sistema económico nacional.

Com o Makeba Money, um aplicativo que pode baixado gratuitamente na Google Play ou App store, a pessoa pode a partir do seu telemóvel pagar tudo, desde a renda de casa até um café, comprar na mercearia, enviar dinheiro para exterior, e assim por diante. As empresas recebem pagamento com o Makeba POS. “O nosso objectivo é fornecer maior conveniência, segurança e economia. Em suma, um acesso à economia moderna”, sublinhou director executivo da Makeba.

Ler mais
Recomendadas

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.

Jogos Africanos de Praia fazem de Cabo Verde destino desportivo

“Esta aposta vale a pena porque está dentro da estratégia de tornar Cabo Verde num país relevante no mundo de organizações de eventos desportivos”, disse o ministro do Desporto cabo-verdiano.

Empresas privadas com “expectativas enormes” sobre fórum de investimento em Cabo Verde

O Cabo Verde Investment Forum está agendado para os próximos dias 1, 2 e 3 de julho. “A questão do financiamento continua a ser um dos grandes desafios para o sector privado nacional”, disse o secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários