Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

O ex-diretor da Caixa Geral de Depósitos (CGD) José Cabral dos Santos explicou esta segunda-feira, no parlamento, que a Investifino era um acionista estratégico da Cimpor, que era das maiores empresas portuguesas. “O grande problema do grupo foi ter investido no BCP”, disse, quando questionado pela deputada do PS Constança Urbano de Sousa sobre os empréstimos a Manuel Fino que deu mais perdas que os empréstimos do Berardo.

A deputada socialista contrapôs dizendo que essa posição da Cimpor já tinha sido comprada com crédito do BCP. José Cabral dos Santos diz que, ao contrário do que aconteceu com Berardo, as condições propostas ao mutuário partiram daquilo que a direção de risco tinha proposto.

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. Uma operação que tinha como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

As ações da Cimpor que garantia empréstimos foram entregues à Caixa no início de 2009, mas o dividendo relativo a 2008 foi entregue ainda à Infestifino.

A dívida de Manuel Fino à CGD era de 564 milhões de dívida antes da reestruturação de 2009, depois baixou para 259 milhões com a venda de metade (10%) da participação na Cimpor à CGD (com acordo de recompra). Em 2013, estavam em dívida 282 milhões de euros, ao qual foram abatidos 24 milhões com venda de ações dadas como garantia.

O ex-diretor de grandes empresas da CGD disse aos deputados, na comissão de inquérito à recapitalização e gestão do banco público, que não foi pedida a insolvência da Investifino, porque isso iria significar grandes problemas para a sua participada Soares da Costa, com tudo o que implicava para os postos de trabalho e os projetos que a construtora tinha num momento difícil da construtora.

Ler mais
Relacionadas

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.

Filho de Manuel Fino: “Com a recompra das ações da Cimpor teríamos liquidado a dívida”

Decorre esta terça-feira de manhã a audição de José Manuel Fino e Francisco Manuel Fino na segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos. “Nunca tivemos nenhum contacto direto com as empresas do comendador Berardo”, disse ainda José Manuel Fino.
Recomendadas

Taxas Euribor renovam mínimos de sempre a três, seis e 12 meses

Taxa Euribor a seis meses desceu esta quarta-feira para -0,357%, novo mínimo de sempre e menos 0,007 pontos do que na sessão anterior.

Crédito Agrícola é o primeiro banco português a disponibilizar o Apple Pay

O banco garante que a utilização desta funcionalidade não tem qualquer custo para o utilizador e a aceitação de pagamentos através do Apple Pay não representa custos adicionais para o comerciante.

E se não houvesse crédito aos consumidores?

Se assim fosse, na categoria técnica de crédito ao consumo, seríamos uma sociedade menos dinâmica, socialmente menos desenvolvida, e tendencialmente mais pobre.
Comentários