Camisola do FC Barcelona proibida na Arábia Saudita

Adeptos apanhados com camisolas com o logótipo da Qatar Airways enfrentam multas na ordem dos 135 mil euros e até 15 anos de prisão

Lionel Messi

Usar a camisola da equipa do Barcelona na Arábia Saudita pode sair caro, mais precisamente 135 mil euros de multa e até 15 anos de prisão ‘de caro’, noticia hoje o Daily Mail.

A ligação da equipa catalã com o Qatar está na origem desta proibição, que nasce das tensões na região do Golfo. Por ter o logótipo da companhia aérea do Qatar, a Arábia Saudita decidiu banir a camisola e boicotar a companhia aérea e clube.

A proibição ocorre no meio da disputa diplomática, com a Arábia Saudita e aliados de ‘relações cortadas’ com o Qatar pelo último estar alegadamente ligado a organizações terroristas. Agora, os fãs do Neymar e do Messi que vivam nas regiões em questão estão proibidos de vestir a camisola dos craques.

Relacionadas

Cortar relações com o Qatar? Dubai pode ficar às escuras

Os Emirados Árabes Unidos são os principais prejudicados com o corte de relações diplomáticas com o Qatar.

EUA querem levantamento do bloqueio ao Qatar

O secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson apelou hoje ao levantamento imediato do bloqueio ao Qatar por parte de Arábia Saudita, Egito, Emiratos Árabes Unidos e Barhein.

Qatar: Bloqueio aumenta preços e riscos de incumprimento

Com as fronteiras terrestres e marítimas fechadas, os mais de 200 mil milhões de euros que valem os projetos que suportam a realização do Mundial de Futebol no Qatar estão em risco. As rotas alternativas aumentarão os preços dos materiais necessários e poderão ser oportunidade para os portos vizinhos.

Arábia Saudita e aliados publicam lista de terroristas apoiados pelo Qatar

Qatar já reagiu à publicação da lista, rejeitando, mais uma vez, as acusações “infundadas” da Arábia Saudita e restantes aliados.

Emirados Árabes Unidos proíbem rotas aéreas para o Qatar

Os E.A.U proibiram qualquer contacto com o Qatar, incluindo o tráfego aéreo para Doha e a movimentação de dinheiro naquele país.

De costas voltadas, Emirados Árabes Unidos proibem “expressões de simpatia” com o Qatar

A imprensa local dá conta de que quem ousar não cumprir o determinado pelo Governo, além de se sujeitar a uma pena de prisão que pode ir até 15 anos, pode ter de pagar uma coima de pelo menos 500.000 dirhams (cerca de 120.000 euros).

Qatar: As várias consequências da crise diplomática

A crise diplomática que se vive no Golfo Arábico pode trazer graves implicações ao povo qatari, à sua economia e às empresas internacionais que operam neste pequeno país.

Pode a crise do Golfo ter impacto no Mundial 2022?

Estima-se que o país gasta cerca de 500 milhões de dólares (cerca de 445 milhões de euros) por semana na construção de infraestruturas para acolher o Mundial. A FIFA diz-se atenta a esta situação.

Terrorismo leva sete países a cortar relações diplomáticas com Qatar

“As medidas são injustificadas e baseiam-se em alegações que não têm razão de ser”, responde o país. As companhias aéreas Ethiad e Emirates suspenderam os voos para Doha.
Recomendadas

Covid-19: Belenenses SAD entra parcialmente em ‘lay-off’

O Belenenses SAD, da I Liga portuguesa de futebol, entrou parcialmente em ‘lay-off’, devido à pandemia da covid-19, tendo “em vista a salvaguarda dos postos de trabalho e do tecido empresarial”, anunciou esta segunda-feira a formação lisboeta.

Cristiano Ronaldo vai ser o primeiro futebolista a atingir os mil milhões de dólares

O jogador da Juventus poderia perder cerca de 20 milhões de euros do seu salário e mesmo assim receberia um vencimento anual de 42 milhões de euros (salários e prémios), além de outros 41 milhões de euros integrados no seu contrato com a Nike e da marca CR7.

UEFA e ECA deixam aviso: cancelamento dos campeonatos é “prematuro” e “injustificado”

Aleksander Čeferin, Andrea Agnelli e Lars-Christer Olsson, emitiram uma carta conjunta revelando que tudo está a ser feito para que as ligas internas sejam disputadas em julho e agosto, sendo as provas europeias concluídas posteriormente.
Comentários