Carles Puigdemont: “É hora de reconhecer o problema e fazer política”

“Concordo com o apelo [de hoje feito pelo atual chefe da Generalitat, Quim Torra] ao governo espanhol para que assuma sua responsabilidade e retorne à mesa de negociações”, escreveu o ex-chefe da Generalitat na sua conta Twitter.

O ex-presidente do governo regional [Generalitat] da Catalunha, Carles Puigdemont, fugido na Bélgica e perseguido por alegados delitos de sedição e má gestão no âmbito do caso do referendo pela independência da região em outubro de 2017, apelou ao governo espanhol que “assuma a sua responsabilidade”.

“Concordo com o apelo [de hoje feito pelo atual chefe da Generalitat, Quim Torra] ao governo espanhol para que assuma sua responsabilidade e retorne à mesa de negociações. Agora é a hora de reconhecer um problema político muito importante e fazer política. Os governos existem para fazer isso, não para iludir sua responsabilidade”, escreveu Puigdemont, hoje eurodeputado em Bruxelas, na sua conta Twitter.

Desta forma, Carles Puigdemont manifestou mais um vez apoio ao atual governo regional, chefiado por Quim Torra. Este sábado, Quim Torra solicitou ao primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, que agende uma reunião para dar início a “conversações e negociações imediatas” para uma solução política na Catalunha.

Ainda não houve qualquer diálogo entre Torra e Sánchez sobre a Catalunha desde o início dos protestos e, além de pedir uma reunião com Madrid, o chefe da Generalitat, apelou a que os protestos sejam pacíficos. “A violência não é a nossa bandeira”, disse.

Os protestos populares contra as penas de prisão até 13 anos por sediação, aos líderes políticos catalães envolvidos no referendo inviabilizado de outubro de 2018, já vão no quinto dia consecutivo.

Puigdemont escapa à prisão
Radicado na Bélgica, Carles Puigdemont, que se entregou voluntariamente às autoridade belgas na sexta-feira, acabou por sair em liberdade “sob condições” sem fiança.

Em declarações aos jornalistas em Bruxelas, Puigdemont disse que ficou obrigado a manter residência fixa no país e a prestar informações caso pretenda sair da Bélgica.

Acusado de delitos de sedição e má gestão de fundos públicos no âmbito do “Processo” – assim ficou conhecido o caso alusivo à tentativa de independência catalã há dois anos – encontra-se fugido na Bélgica desde 2017.

“A polícia conduziu-me a um juiz que tomou conta das minhas declarações e que acaba de ditar as condições da minha liberdade sem fiança com possibilidade de sair da Bélgica após autorização e a fixar a residência, onde já moro, de forma legal”, explicou.

O juiz belga acrescentou, segundo o político catalão, que deve “estar disponível para ser ouvido pelas autoridades quando for necessário”.

“Continuo a gozar dos meus direitos”, contou.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Líder da Generalitat pede reunião com Pedro Sánchez para solução política na Catalunha

Ainda não houve qualquer diálogo entre Quim Torra e o primeiro-ministro em funções sobre a Catalunha desde o início dos protestos.

Catalunha: Extrema-direita espanhola pede que política atue “de uma vez por todas” na região

O secretário-geral do partido Vox (extrema direita) pediu hoje ao governo espanhol que autorize “de uma vez por todas” a polícia a atuar “como sabe” na Catalunha e, em consequência, use “todo o material antidistúrbios”.

Catalunha: Detido fotojornalista do El País durante confrontos em Barcelona

A Polícia Nacional espanhola deteve um fotógrafo do jornal El País durante os confrontos que estão a ocorrer na noite de sexta-feira no centro de Barcelona entre grupos separatistas violentos e as forças de segurança, noticiou a agência Efe. O fotógrafo Albert García foi detido e algemado por polícias, anunciaram nas redes sociais o El […]

Catalunha: Pelo menos 22 detidos e 89 feridos nos confrontos

Pelo menos 22 pessoas foram detidas e 89 sofreram ferimentos nos confrontos entre grupos separatistas violentos e as forças de segurança que se registaram na sexta-feira em diferentes cidades da Catalunha.
Recomendadas

Muitas vezes ou sempre “justificáveis”. Italianos estão mais à vontade com atos racistas

Com base em 1.500 inquiridos, um estudo concluiu que existe “um relaxamento nas atitudes em relação ao racismo”. Resultados da pesquisa chegam depois de uma série de incidentes racistas e anti-semitas contra a senadora da Republica da Itália.

‘Impeachment’. Trump promete divulgar transcrição de outra chamada com presidente ucraniano

Trump avançou que divulgaria a transcrição esta terça-feira, descrevendo-a para os repórteres como “muito importante”. Ao que tudo indica, esta segunda chamada terá ocorrido depois da primeira que desencadeou o processo de destituição contra o presidente norte-americano.

Pneumonia: Várias regiões portuguesas com as taxas mais elevadas de mortalidade na Europa

Portugal encontra-se em destaque no mapa elaborado pelo Eurostat, com várias regiões portuguesas a registarem as taxas mais elevadas de mortalidade associadas à pneumonia em 2016.
Comentários