PremiumCarlos Almeida: “Green bonds poderão flexibilizar cálculo da dívida pública”

Portugal poderia beneficiar ao fazer uma emissão de dívida soberana sustentável, segundo Carlos Almeida, diretor de investimentos do Best.

Faz esta sexta-feira um mês que a União Europeia (UE) deu um passo histórico quando emitiu obrigações sociais para financiar 17% do programa SURE. Foi a primeira vez na sua história que o bloco regional colocou no mercado 17 mil milhões de euros em dívida comum. “Conseguimos dar uma forte resposta europeia que foi uma expressão de solidariedade”, vincou o comissário europeu para o orçamento, Johannes Hahn, que liderou a operação.

Foi a primeira de muitas emissões de obrigações ESG com o selo comum europeu. O SURE, programa europeu de ajuda às medidas sociais lançadas pelos governos, como o apoio ao emprego, tem um plafond de 100 mil milhões de euros. E, 30% da grande bazuca europeia, o Next Generation EU, será também financiado por obrigações verdes.

A procura pelas social bonds comunitárias emitidas no dia 20 de outubro atingiu os 233 mil milhões de euros. O diretor de investimentos do banco Best explica ao Jornal Económico que a forte procura pelas obrigações sociais se deveu não apenas à “importância de termos instituições fortes em períodos de maior turbulência”, mas também porque beneficiaram de um nível de rating ‘AAA’.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Banco Montepio passa de lucros a prejuízos de 15,9 milhões de euros no primeiro trimestre

De acordo com um comunicado enviado pelo banco à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a instituição que pertence à Associação Mutualista Montepio refere que para o resultado foi “determinante (…) a obtenção de menores ganhos com transações de títulos relevados na rubrica de Resultados de operações financeiras”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Luís Filipe Vieira parece que funcionava como testa de ferro de Ricardo Salgado”

“Amnésia rima com impunidade. Sabem que são os portugueses que pagam os seus calotes e vai continuar o gozo. Luís Filipe Vieira parece que funcionava como testa de ferro de Ricardo Salgado”, destacou Rui Calafate no podcast do JE.

Sindicato dos Quadros cancela manifestação para iniciar diálogo com Santander

“Na sequência dos contactos mantidos nas últimas horas, que perspetivam o relançamento do diálogo com o Banco Santander, o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) decidiu cancelar a manifestação agendada para hoje em Faro”, diz o sindicato liderado por Paulo Gonçalves Marcos.
Comentários