Carlos Carreiras dá apoio a Luís Montenegro contra “subalternização” do PSD

Presidente da Câmara de Cascais critica “obsessão” de Rui Rio contra os militantes do partido e junta-se aos apoiantes de Miguel Pinto Luz empenhados em que o antigo líder do grupo parlamentar seja o mais votado na segunda volta das eleições diretas, marcadas para este sábado.

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, anunciou que vai apoiar Luís Montenegro na segunda volta das diretas para a presidência do PSD, que se realizam neste sábado. Num artigo publicado na edição desta quarta-feira do “i”, Carreiras escreve que o seu lugar “é ao lado dos meus companheiros que não se conformam com a subalternização do PSD no sistema político português”, juntando-se aos apoiantes da candidatura de Miguel Pinto Luz, seu vice-presidente na autarquia, dispostos a votar no antigo líder do grupo parlamentar social-democrata para impedir a reeleição de Rui Rio.

“Luís Montenegro nunca foi daqueles que acharam que um voto no PS era melhor do que um voto num companheiro seu; nunca andou em comícios do PS; nunca apoiou nem participou em candidatura que não fossem do PSD. E Rui Rio e os seus apoiantes podem dizer o mesmo?”, lê-se no texto de Carlos Carreiras, que aponta ao atual presidente do partido uma “obsessão contra os militantes do partido” e uma estratégia política que “era um desastre à espera de acontecer”.

Rui Rio foi o candidato mais votado pelos militantes do PSD com a quota de janeiro em dia na primeira volta das eleições diretas, a 11 de janeiro, obtendo 15.5464 votos (49,02%), enquanto Luís Montenegro teve consigo 13.137 militantes (41,42%) e Miguel Pinto Luz somou 3.030 (9,55%), estando por apurar Alter do Chão e os concelhos da Região Autónoma da Madeira, onde existe desacordo entre a estrutura local e nacional quanto a quem tem direito a votar. Apesar de ter ficado muito próximo da maioria absoluta, Rio poderá perder o partido se uma grande parte dos apoiantes do vice-presidente da Câmara de Cascais decidirem votar em Montenegro no próximo sábado.

Apesar de Miguel Pinto Luz ter anunciado que não dará apoio a qualquer um dos adversários na primeira volta, no que foi secundado pelo ex-deputado José Eduardo Martins, que também garante optar pela abstenção entre os dois candidatos, a maioria dos seus apoiantes mais destacados já comunicaram que votarão em Luís Montenegro. Foi o caso de Ângelo Pereira e Bruno Vitorino, presidentes das distritais do PSD de Lisboa – Área Metropolitana e Setúbal (onde Pinto Luz foi o mais votado e que concentram 60% dos votos que obteve a 11 de janeiro), mas também do ex-secretário-geral do PSD, Matos Rosa, do ex-ministro Miguel Relvas, do deputado e vice-presidente da JSD Alexandre Poço ou do presidente da concelhia do Porto, Hugo Neto.

Também houve, no entanto, apoiantes de Miguel Pinto Luz que já anunciaram o voto em Rui Rio. Além do ex-ministro Mira Amaral, ou do cientista Carvalho Rodrigues, os atuais deputados Ana Miguel Santos e Nuno Carvalho, que foram cabeças de lista por Aveiro e por Setúbal nas últimas legislativas, encontraram motivos para preferir a manutenção do presidente do PSD à sua substituição por Luís Montenegro.

Recomendadas

União Europeia mantém abertas as fronteiras comuns

Os líderes europeus decidiram manter as fronteiras entre os 27 abertas, mas reforçando as medidas de segurança contra a pandemia.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Eleições presidenciais: Autarquias empenhadas em reforçar mesas de voto

“O Ministério da Administração Interna não tem conhecimento, até ao momento, da inviabilização da constituição de qualquer mesa”, assegurou o gabinete de Eduardo Cabrita ao Jornal Económico.

Rio dá “abanão” ao Governo e diz que decisão de encerramento das escolas só “peca por tardia”

Apesar de reconhecer que governar no atual contexto “não é nada fácil”, Rui Rio diz que “há momentos em que é preciso dar um abanão para ver se o Governo entra na linha”. Deixou ainda críticas à decisão de não haver aulas online, que considera ser o sinal de que o o Executivo não se preparou para o encerramento das escolas.
Comentários