PremiumCarlos Costa escapa a exame de idoneidade a ex-gestores da CGD

Supervisor está a avaliar a responsabilidade de ex-gestores da Caixa nas decisões de negócios ruinosos do banco público. Exame exclui o governador do Banco de Portugal, também ele ex-administrador da CGD. Decisão está a gerar polémica.

O exame à idoneidade dos ex-gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) que está ser feito pelo Banco de Portugal (BdP), no sentido de apurar eventuais responsabilidades nos atos de gestão que resultaram em elevados prejuízos para o banco público, deixa de fora o governador do Banco de Portugal (BdP), que foi administrador do banco público entre 2004 e 2006. Carlos Costa escapa, assim, ao escrutínio do supervisor, numa avaliação que incide sobre menos de dez antigos adminisradores, apesar de ter aprovado créditos ruinosos quando esteve na CGD, sabe o Jornal Económico.

Esta avaliação de idoneidade está a ser feita com base nas conclusões da auditoria da EY que detetou perdas de 1.647 milhões de euros em 186 operações de crédito que acabaram por se revelar ruinosas. Um exame que visa verificar a responsabilidade de cada ex-gestor no processo de tomada de decisão e os pelouros que eram da sua responsabilidade. O JE questionou fonte oficial do BdP sobre esta avaliação  a ex-gestores da CGD, tendo fonte oficial recusado comentar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Estado injetou mais de 4 mil milhões na CGD perante prejuízos recorde

O Estado injetou diretamente 4.195 milhões de euros na CGD desde 2011, perante prejuízos acumulados de 3.416,8 milhões de euros até setembro passado, desde logo devido à constituição de imparidades para créditos em incumprimento.

Auditoria à gestão da CGD: Lista de administradores entre 2005 e 2008 abrange Carlos Costa

Marques Mendes anunciou que estava concluída a auditoria à gestão passada da Caixa Geral de Depósitos e que o resultado apontava para o período entre 2005 e 2008 como o mais negro do banco. “Isto significa que gestores que passaram pela Caixa naquele período não vão conseguir no futuro a aprovação do BCE caso a idoneidade tenha de ser avaliada ou reavaliada no futuro”, disse. Ora, entre 2005 e 2008, passaram na administração do banco público alguns dos atuais administradores de bancos e até inclui o supervisor nacional.
Recomendadas

Luís Filipe Vieira vai hoje à Comissão de Inquérito para explicar reestruturação da dívida ao Novo Banco

Fundo que ficou com a maior parte das dívidas e ativos do grupo Promovalor ao Novo Banco não vai conseguir cumprir plano de reembolsos. Como o presidente do Benfica deu o seu aval, poderá ser executado pelo Novo Banco já no próximo ano. Vieira é um dos grandes devedores a ser ouvido nesta segunda-feira pelos deputados.

Vítor Bento será o próximo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, avança Marques Mendes

Vítor Bento tem vasta experiência no sector financeiro. O economista foi presidente executivo da SIBS e também foi o último presidente do Banco Espírito Santo e o primeiro do Novo Banco.

20 maiores devedores do Novo Banco deixaram buraco de 1,26 mil milhões de euros

Prejuízo foi pago à entidade bancária pelos contribuintes com base no Acordo de Capitalização Contingente (ACC), entre 1 de julho de 2016 e o final de 2018.
Comentários