Carlos Costa vê Mário Centeno com “todas as condições” para o substituir no Banco de Portugal

Governador do Banco de Portugal disse ao “Expresso” que a incompatibilidade de uma passagem direta do Ministério das Finanças para o banco central é “uma questão eminentemente política”. E deixou elogios a Pedro Siza Vieira na forma como tem reagido à crise provocada pela Covid-19.

Carlos Costa | Cristina Bernardo

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, disse ao “Expresso” que Mário Centeno “tem todas as condições” para lhe suceder no cargo, não se pronunciando quanto à “questão eminentemente política” da eventual incompatibilidade da transição direta do ministro do Estado e das Finanças para o banco central. “Tivemos um governador que eu prezo muito, Silva Lopes, que foi ministro das Finanças, e isso não retirou nada independência ao Banco de Portugal. Pelo contrário, foi um dos grandes construtores do Banco de Portugal moderno que nós temos”, afirmou, acrescentando que tudo depende “da forma como a pessoa interpreta o mandato que lhe está atribuído”.

“O ideal é olhar para o perfil do governador que se pretende e depois olhar numa perspetiva de 360 graus para as possibilidades de recrutamento ou de convite que existem e, em função disso, ponderar os perfis que estão em causa”, acrescentou Carlos Costa, que admite manter-se no cargo depois do final do mandato, a 9 de julho, se isso for necessário, permitindo que Mário Centeno terminasse o mandato enquanto presidente do Eurogrupo.

Carlos Costa negou ter ficado com uma má relação com Centeno depois de este não ter sido escolhido para o cargo de diretor do departamento de Estudos Económicos do Banco de Portugal, garantindo que “não houve qualquer corte de relações ou memorização da capacidade cientifica e técnica” do atual ministro das Finanças. Mas também admitiu que não tem falado com ele no decorrer da crise provocada pela Covid-19. “Temos trocado notas quando é necessário. Quando escrevo sou muito mais preciso e exato”, disse, numa entrevista que será publicada na próxima edição do semanário.

O governador do Banco de Portugal reservou ainda elogios ao ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, apontando-o como “a pessoa que tem sido mais clara a nível do projeto” na resposta à crise económica. E, sobre a polémica em torno do Novo Banco, referiu-se ao seu vice-governador, Máximo dos Santos, também apontado como candidato à sua sucessão: “Estou convencido de que o presidente do Fundo de Resolução, que é jurista, conhece muito bem o contrato e conhece bem as obrigações que resultam do contrato.”

Recomendadas

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.

Economia da zona euro precisa de mais apoio com segunda vaga, considera FMI

“Com a segunda vaga, as políticas orçamentais nacionais provavelmente necessitam de dar um apoio geral por mais tempo do que o inicialmente estimado”, indicou o FMI, na sua revisão da economia da zona euro.
Comentários