Carlos Tavares diz que só foi avisado dos problemas na ESI em maio de 2014

Segundo o jornal Público, o gestor terá sido informado três meses antes do aumento de capital do banco liderado por Ricardo Salgado, mas Carlos Tavares rejeita esta versão e diz que só foi avisado em maio.

Cristina Bernardo

O jornal Público avançou hoje que Carlos Tavares, presidente da CMVM em 2014, terá sabido em fevereiro de 2014 de desconformidades nas contas da Espírito Santo Internacional (ESI), principal holding do Grupo Espírito Santo (GES).

Mas o gestor veio hoje a público garantir que só soube da situação em maio quando a “CMVM exigiu a inclusão no prospeto do aumento de capital do BES da informação sobre todos os problemas detectados nas contas da ESI e os riscos resultantes dessa situação. Como o prova o facto de o prospecto ter sido aprovado em 20 de Maio e conter a informação relevante e conhecida à data”.

“Acresce, que ainda durante o aumento de capital e dentro do período de revogabilidade das ordens, a CMVM obrigou a ESFG a emitir um comunicado de Informação Privilegiada (29 de Maio) sobre a conclusão da segunda fase do trabalho de revisão da KPMG relativa às demonstrações financeiras consolidadas pró-forma da Espírito Santo International, S.A. (“ESI”), dotando assim o mercado de toda a informação disponível”, de acordo com um comunicado do atual presidente do Banco Montepio.

Carlos Tavares aponta que “foram estes os factos que relatei rigorosamente à Assembleia da República no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso do Banco Espírito Santo e que estão documentados factualmente e que foram ignorados pelo Jornal Público que colocou em causa não só o meu bom nome e a minha honra, mas também o da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários”.

Segundo o jornal Público, o Ministério Público terá sabido das desconformidades nas contas através da consultora KPMG, que auditava as contas do BES e do BES Angola. De acordo com o matutino, os responsáveis da KPMG reuniram com Carlos Tavares, então presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), em 11 de fevereiro de 2014, o que o gestor nega agora.

Em novembro de 2014 o agora chairman do Montepio disse no Parlamento que só soube do risco de crédito em 10 de junho. “Há uma carta que nós recebemos a 10 de junho, que é uma comunicação muito importante dos auditores” onde está referido o “aumento da exposição do BES ao GES”, disse.

O gestor referiu, ainda, no Parlamento, que “não teria autorizado” o aumento de capital, anunciado em maio desse ano, se tivesse conhecimento do risco de crédito de exposição para o BES. O BES anunciou que iria avançar com um aumento de capital de 1,045 mil milhões de euros, em maio de 2014.

A esse propósito, Carlos Tavares refere agora que “a carta da KPMG recebida pela CMVM e pelo Banco de Portugal em junho [de 2014], a que terei feito referência na Assembleia da República, tinha como objeto a situação apurada pelos auditores nas contas do próprio BES (e não da ESI), salientando o forte acréscimo de exposição do banco ao GES, contrariando as determinações do Banco de Portugal seis meses antes, e que alterava materialmente a situação financeira do BES. Essa informação foi disponibilizada depois do aumento de capital ter tido lugar.”

  • Notícia atualizada às 23 horas com declarações de Carlos Tavares
Ler mais
Recomendadas

BES: Banco de Portugal e Ministério Público recorrem de absolvição da KPMG

Em resposta à Lusa, o Banco de Portugal (BdP) afirma que interpôs na quinta-feira “recurso para o Tribunal da Relação quanto à sentença proferida pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão no processo n.º 80/19.5YUSTR, que absolveu a KPMG Portugal e cinco dos seus auditores da decisão condenatória proferida pelo Banco de Portugal no processo de contraordenação n.º 100/14/CO”.

Notas contrafeitas retiradas de circulação pelo Banco de Portugal recuam 26% em 2020

O maior número de notas contrafeitas foi de 20 euros (6.292) e de 50 euros (3.034), tendo ainda sido apreendidas 1.823 notas de 10 euros, 443 notas de 100 euros e 324 notas de cinco euros.

Natixis quer transferir mais de 200 postos de trabalho para o Porto

O banco com sede em Paris apresentou o plano aos sindicatos no início desta semana e que ao pessoal afetado serão oferecidos pacotes para sair voluntariamente ou novas funções.
Comentários