“Cartas da Rússia”

Esta semana, a sugestão de leitura da livraria Palavra de Viajante leva-nos pela Rússia de novecentos, era imperador Nicolau I, que não ficou para a História como um governante visionário. Finura na escrita e na análise. Boa viagem!

Há quem diga que a História não se repete, contrariando assim o famoso dito de Hegel, que Marx completaria. Não obstante, dá-nos importantes lições, que o imediatismo dos tempos atuais por vezes faz esquecer.

 

 

Em 1839, quando o marquês de Custine viajou durante três meses pela Rússia, era imperador Nicolau I, que não ficou para a História propriamente como um governante visionário e capaz mas, pelo contrário, como um conservador que reprimiu fortemente os dissidentes e que arrastou o país para uma guerra na Crimeia, que viria a redundar numa derrota clamorosa, ensombrecendo os créditos conseguidos a nível internacional pelo seu irmão, Alexandre I, a quem viria a suceder, e que tomara triunfantemente a capital francesa, em 1812. Nenhum vestígio, portanto, do irmão; nem da avó, Catarina, a Grande.

Astolphe Louis Léonor, marquês de Custine (1790-1857), foi um aristocrata francês. Órfão de pai desde cedo, viria a crescer mais ou menos sob a tutela de Chateaubriand, ilustre e infiel amante da sua mãe. Para além de poemas, romances e peças de teatro, escreveu relatos de viagem, em formato de cartas ou memórias. Para além da Rússia, viajou também por Itália, Alemanha, Suíça, Inglaterra, Escócia e Espanha. Foi precisamente a publicação, em 1838, do relato de uma das suas viagens pelo país ibérico que o tornou popular quer junto da crítica quer do público.

“Já se repetiu várias vezes que a loucura é hereditária na família imperial da Rússia: é uma lisonja. Creio que o mal se deve à própria natureza do governo e não à organização viciosa dos indivíduos. O poder absoluto, quando é uma verdade, perturbará, a longo prazo, a razão mais firme. O despotismo cega os homens; povo e soberano, todos se inebriam em conjunto da taça da tirania. Esta verdade parece-me provada até à evidência pela História da Rússia.”

Quando a obra foi publicada, quatro anos depois, em 1843, Alexander Herzen, chamado o pai do socialismo russo, considerou este o “livro mais inteligente escrito sobre a Rússia por um estrangeiro”. Aliás, muitos tinham-no como a mais penetrante e incisiva análise da sociedade russa e dos seus invariantes históricos, chegando a ser comparado, pela sua finura analítica, a “Da Democracia na América”, de Alexis de Tocqueville. Foi imediatamente banida na Rússia, só voltando a ser editada a partir de 1910, para voltar a não passar no crivo da censura durante o tempo de Estaline.

Sem qualquer traço do lápis vermelho, as cartas são agora editadas pela Imprensa da Universidade de Lisboa.

Recomendadas

“A Empresa das Índias”

Observador atento das convulsões económicas, sociais e ambientais, Erik Orsenna descreve-nos aqui os oito anos de preparação da viagem sonhada por Cristóvão Colombo. Lisboa é o pano de fundo e o sonho é ‘tocado’ a quatro mãos com o seu irmão Bartolomeu. Aqui fica a sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante.

Amarante tem nova identidade visual

‘Natureza Criativa’. Assim se chama a nova identidade daquela que era até agora a ‘princesa do Tâmega’. Captar investimento e atrair turismo são duas das opções estratégicas.

Museu do Prado contribui com 745 milhões de euros anuais para a economia espanhola

O contributo económico total representa 16 vezes o orçamento do museu e 48 vezes o apoio financeiro que recebe do Estado, que, em 2018, foi de 15,3 milhões de euros.
Comentários