Cashback: veja 10 cartões que lhe devolvem parte das suas compras

Há uma característica de alguns cartões que apela a uma boa gestão da conta bancária e que até permite aumentar o valor das poupanças: o cashback. Quando bem gerida, pode ser excelente vantagem para quem usa este meio de pagamento regularmente. Conheça os 10 melhores cartões de crédito com cashback do mercado.

Os cartões de crédito com cashback possibilitam que o consumidor veja devolvida, na sua conta, uma percentagem pré-definida do valor dos seus gastos. Esta quantia pode ser depois convertida em compras em supermercados, restaurantes, postos de abastecimento de combustível e hotéis.

Contrariamente ao que acontece com o sistema de pontos, de descontos ou com os programas de milhas aéreas, o cashback acaba por ser uma alternativa mais versátil e abrangente, uma vez que pode ser gasto livremente em diversos produtos ou estabelecimentos comerciais, como qualquer consumidor faria normalmente com o saldo da sua conta à ordem.

A oferta existente no mercado

Regra geral, os cartões de crédito com esta vantagem oferecem taxas de cashback entre 1% e 3%, existindo ainda a possibilidade de beneficiarem de anuidades grátis.

Salvo algumas exceções, geralmente o montante de cashback acumulado ao final de um ano calcula-se através da seguinte fórmula:

Montante de cashback acumulado:

(Montante total de gastos por mês) x (12 meses) x taxa de cashback = Reembolso na conta

 

Em termos práticos, tome-se o exemplo da Diana, que tem 31 anos, é adepta das novas tecnologias e para quem poupar ao máximo nas suas compras é essencial.

Esta jovem adquiriu recentemente um cartão de crédito com 3% de cashback, o que significa que, no mês a seguir à compra do último modelo inovador de smartphone do mercado, ela recebeu 3% do montante que gastou na sua conta.

Assumindo que o telemóvel custou 610 euros, então o valor de retorno do cashback foi de 18,30 euros, o que já lhe deu para comprar uma capa protetora para o seu equipamento.

Para se ter uma noção mais alargada do volume acumulado, se se tiver em conta que a família Salgueiro gasta em média 300 euros por mês nas suas compras no supermercado, gera-se um reembolso de 108 euros ao final de um ano, valor que depois aproveitam para poupar nos seus gastos com as prendas de Natal.

Porém, se o valor de cashback for inferior, são necessárias muitas mais compras. Tomando como exemplo um cartão de crédito com um cashback de 2%, neste caso já seriam precisos gastos na ordem dos 10 mil euros por ano para se receberem 200 euros de retorno.

Ao todo, no mercado, e conforme se pode observar na tabela abaixo, existem 10 opções de cartões de crédito que oferecem este benefício do cashback.

Em termos da percentagem de cashback atribuída, o valor máximo que se pode encontrar no mercado é de 3%, pertencendo aos cartões bankintercard Gold, Classic do Crédito Agrícola e Black Plus da Cetelem, ao passo que o mínimo é de 1%, como oferece o cartão Universo, o Affinity Card do BBVA Consumer Finance, o FNAC Crédito e o Cartão Mundo 123 do Santander.

Cartões de crédito com cashback
InstituiçãoCartãoComissão de disponibilizaçãoTAEGCashbackValor máximo anual
Banco BPICartão BPI Prémio14€13,7%2%Sem limite
BBVA Consumer FinanceCartão Affinity Card0€15,3%1%Sem limite
Cartão bankintercard Gold0€15,3%3%60€
Caixa Geral de DepósitosCartão Leve25€15,3%1,50%900€
Crédito AgrícolaCartão Classic18,50€13,9%3%N.A.
CetelemCartão Black Plus0€15,3%3%100€
FNAC PortugalCartão FNAC Crédito0€15,3%1%160€
CofidisCartão de Crédito Cofidis +1€0€15,3%2%200€
SantanderCartão Mundo 12334,80€12,9%1%1.600€
Sonae Financial ServicesSonae Financial Services0€15,3%1%N.A.

Cartões de crédito com cashback: como escolher a melhor alternativa?

Para além da percentagem destinada ao cashback, na escolha da melhor solução é fundamental ter em conta também a anuidade e a taxa de juro – que será a TAEG – enquanto fatores de comparação. Pese embora a importância da percentagem de cashback, contraponha sempre os custos e os benefícios.

No âmbito das vantagens, por exemplo, entram os seguros que alguns cartões incluem – assistência em viagem, assistência médica, proteção contra fraudes, entre outras coberturas -, ao passo que os custos também devem entrar na equação – nomeadamente o valor da anuidade, eventuais comissões, etc. –, porque pode não compensar ter um cartão com uma grande percentagem de cashback se os encargos que se tem com o mesmo forem muito elevados.

Tenha ainda atenção aos limites de cashback que são impostos pelos cartões, uma vez que existem alguns que apenas oferecem o reembolso em compras superiores a determinado montante. Como tal, é mais aconselhável utilizar este tipo de cartão nas compras mais caras de forma a maximizar o montante devolvido no mês seguinte.

Cabe ainda salientar que alguns cartões de crédito com cashback obrigam a que o consumidor já seja cliente do banco em questão. Aproveite a oportunidade para avaliar se é cliente da instituição financeira que oferece mais vantagens para o seu estilo de vida em específico.

Se for para usufruir de mais do que uma conta à ordem para transações simples (tais como transferências bancárias e levantamentos), vale a pena pesquisar alternativas e avaliar também os benefícios dos cartões de crédito. Analisar todos os serviços em conjunto pode fazer muita diferença na sua carteira.

As opções de cashback associadas aos cartões são uma forma de as instituições financeiras premiarem os seus clientes por utilizarem os seus serviços, o que naturalmente os incentiva a gerirem melhor os seus gastos, uma vez que podem recuperar parte da despesa.

Quando utilizado de uma forma racional, com todas as prestações em dia, trata-se, sem dúvida, de uma melhor opção relativamente a um cartão que não possua este benefício, visto permitir poupar ao mesmo tempo que se usufrui do mesmo.

Compensa particularmente para compras elevadas porque o montante que se recebe de volta acaba por compensar os encargos com anuidades e afins. Portanto, para o consumidor é uma questão de fazer as contas, comparando e escolhendo a solução que mais se adapta ao seu perfil.

Ler mais
Relacionadas

Quais os melhores Cartões de Crédito gratuitos?

Conheça as melhores ofertas do mercado que isentam de custos com a disponibilização e anuidade.

Procura um cartão de crédito? Estas são as 6 ofertas mais competitivas de 2020

Dos descontos aos pontos, passando pelo cashback até às ofertas sem anuidade, conheça os produtos que se destacaram nas diferentes categorias.

É cliente bancário premium? Conheça as vantagens de ter um cartão gold ou platinum

A maioria das instituições bancárias dispõe de cartões premium que proporcionam condições exclusivas aos clientes aderentes. Saiba tudo sobre o tema neste artigo.

Programas de milhas: como ter viagens gratuitas com o cartão de crédito?

Apesar de o contexto de pandemia em que vivemos atualmente não facilitar a as viagens para o estrangeiro, esta pode ser uma boa altura para acumular milhas aéreas no seu cartão de crédito, para mais tarde usufruir de voos baratos ou até mesmo gratuitos.

Usa cartão de crédito? Saiba como evitar fraudes e custos acrescidos

O uso de cartões de crédito é cada vez mais popular. Se ainda não tem, já deverá ter sido contactado pelo seu banco para adquirir um. Se já tem, provavelmente já recebeu uma chamada do seu banco para rever as condições. Mas sabe como usar um cartão de crédito? Descubra tudo neste artigo.

Pagamentos com cartão contactless: quão seguros são?

O Banco de Portugal acaba de revelar que os consumidores vão poder continuar a utilizar a tecnologia contactless para efetuar pagamentos presenciais até 50 euros sem introduzir o PIN. Mas será algo seguro? Descubra mais sobre o tema neste artigo.
Recomendadas

Maioria dos portugueses prefere produtos que utilizam a menor embalagem possível

O recente estudo, realizado pela DS Smith e Ipsos MORI mostra que, apesar da crise global de saúde, os consumidores continuam a ter em conta o ambiente: 85% dos inquiridos querem comprar produtos que utilizem a menor embalagem possível

Deco alerta para riscos das compras através de redes sociais

Estas “lojas”, na sua maioria, não se encontram registadas como empresas em Portugal, não possuem um endereço físico de contacto, e, por vezes, não se tratam de vendas de comerciantes, mas sim vendas entre particulares, o que torna mais difícil a resolução de um possível conflito. O endereço físico da loja, ou uma morada para contacto, é essencial para reclamar em caso de conflito.

Economia circular: portugueses gastam mais de 140 euros por ano em bens usados

Em média, o consumidor português gasta 142 euros por ano em bens usados. As razões que motivam estas compras são principalmente a relação qualidade/preço e a sustentabilidade.
Comentários