Caso Sócrates. Megaprocessos são sinal que “justiça está a funcionar”, diz Marcelo

O Presidente não quis comentar casos em específicos, mas elogiou os esforços feitos pela justiça nos últimos anos nos megaprocessos.

O Presidente da República rejeita comentar o caso Sócrates, mas aponta que nos últimos anos tem se assistido ao surgir de vários megaprocessos judiciais, o que é visto pelos portugueses como um sinal que a justiça está a funcionar.

“Eu não comento casos e processos específicos”, começou por dizer Marcelo Rebelo de Sousa esta quarta-feira, 7 de abril, numa visita a uma unidade de saúde em Lisboa. “Mas cada vez que há avanço num processo judicial, os megaprocessos, isso é visto pelos portugueses como a a justiça a a funcionar e mais depressa”.

“Isso pode significar que, depois de anos de expetativa e de um juízo de dúvida de um período de tempo necessário para o avanço do processo, a justiça está a fazer o que está ao seu alcance para que avancem os processos”, afirmou, em declarações transmitidas pela “RTP3”.

“Tudo o que significa que a justiça está a mostrar o esforço que está a fazer – tribunais, ministérios públicos, funcionários judiciais, advogados – tudo o que significa a justiça a funcionar, é bom”, defendeu.

Na sexta-feira vai ter lugar a leitura da decisão instrutória pelo juiz Ivo Rosa, em que será decidido se o ex-primeiro-ministro vai enfrentar julgamento e porque crimes.

José Sócrates está acusado de 31 crimes económico-financeiros graves no âmbito da Operação Marquês, incluindo três acusações por corrupção passiva de titular de cargo político.

 

Ler mais
Recomendadas

‘Operação Olissipus’: Oito inquéritos com suspeitas de corrupção em projetos de urbanismo levam a buscas na Câmara de Lisboa

A Polícia Judiciária efetuou esta terça-feira buscas na Câmara de Lisboa, nas instalações do Campo Grande e nos Paços do Concelho. Autarquia confirmou suspeitas relacionadas com vários projetos urbanísticos e empreitadas. Em causa estão crimes de abuso de poder, participação económica em negócio, corrupção, violação de regras urbanísticas e tráfico de influências no âmbito de oito inquéritos crime que convergem para o mesmo alvo.

“Maquiavel para Principiantes”. “Há um divórcio enorme entre os cidadãos e a Justiça”

“O que sei é que há um divórcio enorme entre os cidadãos e a Justiça. E não basta este caso, temos o caso de Rui Rangel, de Fátima Galante e dos tais poderosos que não são julgados”, destacou o consultor de comunicação Rui Calafate no podcast do JE.

Tribunal de Instrução do Porto marca para 29 de abril debate instrutório do caso Selminho

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto marcou para 29 de abril o debate instrutório do caso Selminho, em que o presidente da Câmara Municipal do Porto (CMP), Rui Moreira, está acusado de prevaricação.
Comentários