Catalunha: esquerda independentista tenta controlar violência organizada

A polícia está surpreendida com a eficácia e a resistência dos manifestantes e teme que Barcelona acabe por ser um polo de atração internacional.

Os partidos de esquerda independentista da Catalunha estão a organizar uma espécie de ‘esquadrões’ que tentam controlar os focos de violência que se têm visto nas manifestações que sitiaram Barcelona desde há quase uma semana. O controlo destes focos de violência – que muitas vezes são eles mesmo violentos – tem permitido uma descida da tenção no interior das manifestações e, por outro lado, acabou por ajudar as autoridades policiais a identificar os causadores da violência.

Segundo os jornais espanhóis há um grupo de cerca de dois mil jovens que está identificado como o causador da violência organizada que se tem verificado ao longo destes últimos dias (e principalmente noites) em Barcelona. A polícia sabe que este grupo é liderado por cerca de 500 ‘profissionais’ – aqueles que estão à cabeça das manifestações violentas, apoiados por 1.500 jovens de ‘segunda linha’, que têm a função de ‘abastecer’ a primeira linha de material de arremesso, de evacuar eventuais feridos e de os substituir.

Na noite de ontem, nova manifestação foi organizada para as ruas de Barcelona. E quando parecia que seria possível manter a civilidade entre manifestantes e polícia, a violência acabou por irromper.

A própria polícia está surpreendida. “Nunca vimos tanta violência contra nós”, dizem fontes policiais citadas pelo EL Pais. Na sexta-feira, este grupo organizado e em permanente contato entre si, mantive uma batalha campal contra a polícia que durou mais de sete horas. Coqueteis molotov, bolas de aço, garrafas com ácido e fogo de artifício foram as armas usadas pelo grupo. “Eles são treinados”, insiste a mesma fonte.

A polícia sabe que alguns destes ‘comandos’ pertencem a grupos de anarquistas, até agora afastados da causa da independência. Muitos são espanhóis mas há também italianos e gregos que vivem na Catalunha há vários anos. A polícia teme que o conflito se torne um pólo de atração internacional e garante que já detectou anarquistas alemães dispostos a participar.

A violência não aconteceu só em Barcelona: a Polícia Nacional espanhola fez uma carga contra centenas de manifestantes em Madrid, depois de estes terem cortado a avenida Gran Via, após uma marcha de quatro mil pessoas que pediram “amnistia para todos os presos políticos”.

Ler mais
Relacionadas

Milhares de independentistas no centro de Barcelona em concentração pacífica

Milhares de independentistas continuam ao início da noite no centro de Barcelona, apesar de a concentração já ter sido desconvocada, num ambiente de certa tensão, no dia seguinte de confrontos violentes com a polícia.

Líder da Generalitat pede reunião com Pedro Sánchez para solução política na Catalunha

Ainda não houve qualquer diálogo entre Quim Torra e o primeiro-ministro em funções sobre a Catalunha desde o início dos protestos.
Recomendadas

Jair Bolsonaro está infetado com o novo coronavírus

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esta terça-feira que está infetado com o novo coronavírus, um dia depois de relatar sintomas e realizar um teste num hospital Militar, em Brasília.

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Kwanza teve variação de quase 250% desde 2017 e vai continuar a cair, prevê economista

O investigador da School of Oriental and African Studies University of London salientou que existe uma interligação entre a desvalorização do kwanza, a política cambial, a inflação e a política monetária, “um problema que não é de hoje”, embora se tenha acentuado.
Comentários