Catarina Martins abre a porta a conversações com Medina

A coordenadora do Bloco de Esquerda afirmou que o partido “tem toda a disponibilidade para continuar a ser uma solução na Câmara de Lisboa”. Catarina Martins remete para amanhã as leituras políticas dos resultados eleitorais, mas para já considera que existem indícios positivos para o partido.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, reiterou a disponibilidade do partido para “continuar a ser uma solução” com Fernando Medina na Câmara de Lisboa, caso este seja reeleito.

“O Bloco tem toda a disponibilidade para continuar a ser uma solução na Câmara de Lisboa”, afirmou Catarina Martins, em conferência de imprensa, no Capitólio, em Lisboa. A bloquista justificou a disponibilidade do partido com “aquilo que foram as conquistas nos direitos sociais, na educação, mas sobretudo olhando para tudo o que falta fazer na habitação, que é um dos maiores problemas da cidade”.

Contudo, questionada pelos jornalistas se mantinha a disponibilidade para negociar caso seja Carlos Moedas a conquistar a presidência da autarquia lisboeta, Catarina Martins afirmou que “toda a gente conhece o Bloco de Esquerda. Não negociamos com a direita e quando negociamos, negociamos em nome da vida concreta das pessoas”.

Catarina Martins remeteu para esta segunda-feira uma leitura política dos resultados das eleições, considerando ainda assim que os primeiros resultados apontam para alguns indícios “positivos” para o partido, que continuará a acompanhar “com muita atenção” a evolução dos resultados em Lisboa e Porto.

“Sabemos que fizemos o nosso trabalho porque não há sítio nenhum no país onde as pessoas não saibam as prioridades da habitação, do transporte, do ambiente, da igualdade que vão marcar a atuação de todos os eleitos e eleitas do Bloco de Esquerda a partir desta noite”, disse. A bloqueias considerou que “dos resultados preliminares que existem há algumas indicações que são para o Bloco de Esquerda positivas”, sublinhando que o partido olha para “os resultados com muita humildade”.

“Vamos acompanhar com muita atenção, nomeadamente os resultados em Lisboa e no Porto”, acrescentou.

Recomendadas

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.

Autárquicas: Chega impõe condições para se coligar com PSD e descarta acordos com PS e CDU

Em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, André Ventura abordou os resultados das eleições autárquicas de domingo, onde o Chega elegeu 19 vereadores, para referir que “não haverá qualquer acordo nacional autárquico entre o Chega e o PSD”.
Comentários