Catarina Martins considera inexplicável atraso na requisição do setor privado

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse hoje ser, “a cada dia que passa, mais inexplicável” que o Governo não tenha ainda requisitado o setor privado e social para responder às necessidades da área da saúde.

catarina_martins_oe_2020
António Cotrim/Lusa

“É inexplicável que o Governo ainda não tenha utilizado a possibilidade que tem de requisição da capacidade instalada no setor privado e social para responder a tudo o que é prioritário na saúde deste país, tanto covid como não covid”, afirmou aos jornalistas, em Moimenta da Beira.

Catarina Martins lamentou que “algumas pessoas” prefiram “que não haja requisição para que os privados possam continuar a chantagear o Estado e a lucrar com a pandemia”.

“Pedimos sacrifícios aos negócios mais pequenos, pedimos aos cafés e aos restaurantes para pararem, pedimos aos cabeleireiros para fecharem e não podemos requisitar a um preço justo o setor privado e social da saúde para garantir todos os cuidados prioritários no país?”, questionou.

Na sua opinião, “ninguém compreende o atraso do Governo a tomar esta decisão”, pela qual o BE tem lutado, até porque, “neste momento, o Serviço Nacional de Saúde está numa situação muito preocupante”.

Catarina Martins considerou “muito importante pedir a responsabilidade individual de cada um, mas também ter políticas públicas capazes de travar os contágios”.

Para isso, “é preciso garantir os apoios aos setores que encerram, aos trabalhadores e às famílias, para que possam ficar em casa”, defendeu.

No seu entender, é também preciso “fazer rastreios nos setores que continuam a funcionar, porque são essenciais ao país e não podem parar”, e reforçar o Serviço Nacional de Saúde.

“É-nos muito difícil perceber que não exista uma maior exigência sobre a capacidade instalada no privado e no social para colaborar com o país, neste momento, e fazer face aos cuidados prioritários”, acrescentou.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

Covid-19: Uma centena de manifestantes anticonfinamento em Lisboa

À Lusa, o comissário Santos, da PSP, referiu que a concentração, promovida pelo Movimento Habeas Corpus, associado aos Juristas pela Verdade, chegou a reunir “cerca de cem pessoas”, por volta das 13h00, e que há meia hora estariam ainda 35 manifestantes no local.
Comentários