Catarina Martins diz que ambiente de crise política é “totalmente artificial”

Líder bloquista reage a notícias que dão conta da possibilidade de o Governo apresentar demissão devido à reposição integral do tempo de serviço dos professores. E recorda que o PS já tomou essa decisão na Região Autónoma dos Açores.

A coordenadora do Bloco de Esquerda reagiu na manhã desta sexta-feira à reunião do núcleo duro do Governo e às notícias que dão conta da possibilidade de o Governo apresentar demissão na sequência da aprovação por todos os grupos parlamentares que não o do PS da reposição integral do tempo de serviço dos professores. Segundo Catarina Martins, “a manhã parece marcada por tentativas de criar um ambiente de crise política”, mas a líder bloquista garantiu que “esse ambiente é totalmente artificial”.

Numa sucessão de quatro notas que publicou nas redes sociais, Catarina Martins começou por afirmar que “o que foi aprovado ontem no Parlamento limita-se a corrigir um decreto-lei do Governo que desrespeita os Orçamentos do Estado de 2018 e de 2019, que explicitamente previam a contagem integral de todo o tempo de serviço de todas as carreiras especiais da função publica para efeitos de descongelamento (de forma faseada)”.

Ainda segundo a líder bloquista, “a solução encontrada para os professores respeita esse faseamento, não representa qualquer acréscimo de despesa no ano em curso e respeita a autonomia negocial do próximo Governo”.

Catarina Martins realçou ainda que “nos Açores, onde o PS governa com maioria absoluta, a contagem integral do tempo de serviço já está garantida”, tal como também sucede na região autónoma da Madeira.

Numa nota final, a bloquista dá conta de que “a única despesa extraordinária e não prevista no Orçamento do Estado de 2019 com que o Governo se deparou é a que decorre do pedido do Novo Banco”. Mais 450 milhões de euros que, realça Catarina Martins, “o Governo já considerou acomodáveis”.

Relacionadas

Inconstitucional ou não? O que pensam os partidos sobre a recuperação total do tempo de serviço dos professores

Em causa está o reconhecimento dos nove anos, quatro meses e dois dias que os sindicatos exigiam, mas, entre as bancadas parlamentares, as opiniões dividem-se quanto à constitucionalidade da medida e o impacto orçamental que esta terá.

Parlamento aprova contagem integral mas não define prazo

Recuperação integral do tempo de serviço dos professores foi aprovada com votos favoráveis do PSD, CDS-PP, BE e PCP. O PS votou contra.

Professores: Governo reúne de emergência a partir das 10 horas

Núcleo duro do Governo vai-se reunir em São Bento para debater a aprovação da recuperação integral do tempo de serviço dos professores que vai ter um impacto de 635 milhões de euros nas contas públicas.
Recomendadas

“Silêncio de hoje tornará inoportunas críticas de amanhã”. PS lamenta falta de ideias da direita para fundos europeus

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS), José Luís Carneiro, lamenta que, até ao momento, os partidos da direita não tenham apresentado qualquer ideia e desafia-os a apresentarem propostas até ao final de agosto.

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

André Ventura rejeita qualquer hipótese de entendimentos entre o Chega e o PSD ou CDS-PP

O presidente demissionário e deputado único do Chega, André Ventura, diz que o Chega “não está à venda” nem tem intenção de se tornar “o CDS do século XXI” e deixa a mesma resposta para o PSD e CDS-PP: “Não obrigado, não queremos nem aceitamos” acordos ou entendimentos.
Comentários