Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Catarina Martins afirmou esta sexta-feira que “só não há um Orçamento do Estado se o Governo não quiser”, enumerando algumas das áreas que o Bloco de Esquerda (BE) considera fundamentais para viabilizar o documento apresentado esta semana, como o reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a evolução salarial.

À saída do encontro desta sexta-feira com o Presidente da República em Belém, a líder bloquista lembrou algumas das propostas do partido para o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), considerando que, “tenha o Governo vontade de responder, com certeza existirá um OE”.

O foco foi colocado no reforço do SNS, numa “resposta às muito longas carreiras contributivas” que se traduzem em pensões insuficientes e a preocupação com as remunerações médias em Portugal, que se aproximam cada vez mais do salário mínimo nacional.

“Não há recuperação da economia sem evolução dos salários”, argumenta a coordenadora bloquista.

Adicionalmente, Catarina Martins garantiu que o BE “não se prende com questões formais”, esclarecendo que o que o partido pretende é “redações exatas das leis que são aprovadas no OE para que depois haja uma execução daquilo que foi aprovado”, reportando a dificuldades recentes com, por exemplo, a aprovação de “caminhos para a valorização das carreiras no SNS que ainda não estão em prática”.

Relacionadas

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Francisco_rodrigues_santos

CDS-PP anuncia voto contra a “bazuca de impostos” do OE2022

Francisco Rodrigues dos Santos considera que o Estado pratica um “assalto” aos contribuintes em várias vertentes, criticando os desdobramentos do IRS e a relutância em abordar os impostos sobre os produtos petrolíferos.

PAN assume que está mais próximo do voto contra o OE2022

Porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza reconheceu que houve alguma aproximação entre as reivindicações do partido e o Governo, nomeadamente, através da proibição de assistência a touradas por menores de 16 anos ou da revisão dos escalões do IRS, mas considerou que ainda é insuficiente para viabilizar.
Recomendadas

Farmácias fazem “tudo o que é humanamente possível” face à procura de testes

Segundo disse Ema Paulino à Lusa, na terça-feira as farmácias portuguesas realizaram 47.500 testes de antigénio, quando na sexta-feira anterior foram feitos cerca de 30.500 despistes do coronavírus.

Já foram multados 152 passageiros e 10 companhias nas fronteiras aéreas por falta de teste

Os dados do MAI avançam também que pelo menos 10 companhias aéreas foram multadas por terem transportado passageiros sem teste negativo à covid-19 ou certificado de recuperação, condições obrigatórias desde quarta-feira para entrar em Portugal continental através das fronteiras aéreas.

Câmara de Lisboa diz que ministra da Saúde tem de “pôr ordem” na vacinação

“A ministra tem de pôr a casa em ordem, tem de pôr os serviços de saúde em ordem e a funcionarem bem, coisa que não está a acontecer”, disse Ângelo Pereira, à margem de uma iniciativa a propósito do Dia Internacional de Pessoa com Deficiência.
Comentários