CDS aponta má gestão dos dinheiros públicos em Câmara de Lobos

“Não temos nada contra a repavimentação, o que não podemos concordar é que, antes de iniciar esta obra, não tenha havido o cuidado de verificar que toda esta zona não tem acesso à rede de esgotos”, vinca.

A candidatura do CDS à Câmara Municipal de Câmara de Lobos deslocou-se, esta terça-feira, 21 de setembro, ao Estreito de Câmara de Lobos, mais concretamente à Estrada João Gonçalves Zarco, via que liga o Estreito ao Cabo Girão para apontar um exemplo de má gestão de dinheiros públicos.

Amílcar Figueira refere que esta estrada está a ser preparada para levar um novo tapete de alcatrão. “Não temos nada contra a repavimentação, o que não podemos concordar é que, antes de iniciar esta obra, não tenha havido o cuidado de verificar que toda esta zona não tem acesso à rede de esgotos”, vinca.

O candidato centrista sublinha que é obrigação da Câmara Municipal, junto com o Governo Regional, programar este tipo de intervenções sem a pressão das eleições, acautelando os interesses das populações sem descurar das suas necessidades básicas que, no caso em concreto, é a construção de uma rede de saneamento básico.

“Não podemos construir uma casa pelo telhado, defendemos que este tipo de intervenções sejam feitas em parceria com todas as entidades prestadoras de serviços, nomeadamente a ARM, Empresa de Eletricidade e serviços de telecomunicações, por forma a minimizar os custos e os incómodos, proporcionando à população um maior benefício”, salienta.

“Agora que esta estrada vai ter um tapete novo, para estas pessoas terem acesso à rede de esgotos vão ter que voltar a esburacar a estrada ou então, os moradores desta via terão de esperar mais quatro anos (próximas autárquicas) pelo saneamento básico”, realça, acrescentando que “há que haver um maior rigor na utilização dos dinheiros públicos”.

Recomendadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.
Comentários