CDS considera que Orçamento de Estado ficará “aquém” do esperado

Cecília Meireles sublinhou que no OE para 2021 “quem fica esquecido neste orçamento é precisamente o investimento privado e as empresas e os seus trabalhadores que lutam para sobreviver numa economia que é ainda muito incerta e portanto essa foi a primeira preocupação que transmitimos ao Governo”.

Mário Cruz/Lusa

A deputada do CDS-PP Cecília Meireles referiu esta terça-feira, 6 de outubro, que o partido concluiu que o Orçamento de Estado (OE) para 2021 ficará “aquém” do esperado depois de reunião com o Governo onde foram apresentadas as linhas gerais da proposta do OE 2021.

“Não prevejo nenhuma boa surpresa do lado do Orçamento. Acho que o orçamento ficara muito aquém do que nós achamos que era esperado”, garantiu Cecília Meireles.

“Importa dizer que o Governo escolheu negociar este Orçamento com os partidos à sua esquerda, com o PCP, com o Bloco de Esquerda , com o PEV e com o PAN , aquilo que resulta das linhas gerais é aquilo que nós já sabíamos, um Orçamento que dá muito menos importância à iniciativa privada do que dá à função pública do que dá ao investimento público e que acha que o motor da economia é o Estado e o investimento público”, apontou a deputada centrista.

Cecília Meireles sublinhou que no OE para 2021 “quem fica esquecido neste orçamento é precisamente o investimento privado e as empresas e os seus trabalhadores que lutam para sobreviver numa economia que é ainda muito incerta e portanto essa foi a primeira preocupação que transmitimos ao Governo”.

A outra preocupação do partido liderado por Francisco Rodrigues dos Santos transmitida ao executivo de António Costa foi a de “salvaguardar postos de trabalho”. “É preciso que estas empresas sobrevivam e como tal era importante que houvesse medidas designadamente medidas fiscais ou medidas de apoio a fundo perdido que fossem transversais a todas as empresas e percebemos que não é isso que está previsto”.

“Está previsto medidas fiscais cirúrgicas ou a continuação das políticas da linhas que credito que  resolve o problema de algumas empresas”, explicou Cecília Meireles que acredita que no OE as medidas, no futuro, se vão traduzir num “monumental problema”.

Para o PCP, “o mais importante em anos de pandemia não é o défice, o mais importante é perceber se nós em relação aos fundos europeus que vão ser recebidos os vamos utilizar para fazer reformas a sério e para Portugal não estar sistematicamente a discutir os últimos lugares no ranking do crescimento ou os vamos utilizar para gastar dinheiro, distribuir dinheiro e ao fim de três ou quatro anos termos perdido uma oportunidade de dar a volta”.

“Mais importante do que saber qual é o défice, este ano ou no ano que vem é perceber o que vai ser a economia portuguesa nos próximos dez ou vinte anos e eu quando falo de economia, não estamos falando de empresas, estamos a falar de oportunidades para as pessoas, nós estamos a falar do que pode esperar alguém que está agora, por exemplo, a entrar na universidade”, frisou Cecília Meireles assegurando que “este Orçamento não dá essa resposta”

Ler mais
Relacionadas

Costa: “Seguramente iremos encontrar uma boa solução” para o OE 2021

O primeiro-ministro comentou as negociações com os partidos no dia em que o Governo está a apresentar aos partidos as linhas gerais para a proposta do Orçamento do Estado para 2021. Costa diz que quer continuar a trabalhar com o Bloco de Esquerda e com o PCP.

PCP garante que ainda não tem “posição tomada” sobre OE 2021

Apesar de ainda não admitirem viabilizar o próximo Orçamento de Estado, o PCP sublinha que os direitos dos trabalhadores é “um dos aspetos que é absolutamente essencial e um dos critérios que deve ser assumido como prioritário”
Recomendadas

PremiumBruxelas recusa-se a deixar cair caso do procurador europeu

Ministra da Justiça vai ser ouvida no Parlamento Europeu a 4 de fevereiro. Eurodeputados querem novas explicações e contam com apoio da Provedoria.

Ana Gomes encerra campanha com apelo ao voto: “Estas são eleições decisivas para a democracia”

A candidata Ana Gomes defende que participação nas eleições, marcadas para dia 24, é essencial para “reforçar a democracia”, que diz estar “sob ataque”, e “barrar os centrões de interesses” que têm prejudicado o desenvolvimento do país.

Pedro Nuno Santos agradece a Ana Gomes por não deixar socialistas “sozinhos” nas presidenciais

O governante apelou ao voto em Ana Gomes e sublinhou que a ex-diplomata é a única que defende o “socialismo democrático” e com a coragem necessária para “enfrentar quem sempre fez e desfez o país”.
Comentários