CDS-PP diz que falta de interesse da República na Zona Franca está a pôr em causa empresas e postos de trabalho

Esta atitude por parte da República “está a pôr em causa o futuro das empresas e de milhares de postos de trabalho, bem como os 108 milhões de euros em receitas fiscais que ficam na região”, alertou o deputado, e acrescentou que “esta é uma situação grave e preocupante”.

O líder parlamentar do CDS-PP, António Lopes da Fonseca, acusou o Governo da República de não estar interessado em reformular o Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) ou Zona Franca da Madeira, o que “põe em causa o futuro das empresas e de milhares de postos de trabalho”.

Esta atitude por parte da República está também a pôr em causa “os 108 milhões de euros em receitas fiscais que ficam na região”, alertou o deputado no plenário da Assembleia da Madeira, e acrescentou que “esta é uma situação grave e preocupante”.

Se não fosse esta “falta de interesse” para com o CINM por parte do Governo Central, “já teríamos todas as matérias resolvidas e a região iria receber mais de 300 milhões de euros em receitas fiscais por ano”, afirmou António Lopes da Silva.

O líder parlamentar do CDS disse ainda que a questão do futuro do CINM é de interesse nacional e não deve ser vista meramente como uma questão de interesse regional.

O presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, acrescentou que, apesar dos “constrangimentos” de que tem sido alvo desde 2017, o CINM tem contribuído consideravelmente para as receitas fiscais da região. Estes impostos são “diretamente alocados para despesas que a região tem com a saúde e educação”, afirmou.

Para Miguel Albuquerque, o potencial do CINM deve ser valorizado de forma a assegurar a internacionalização das empresas portuguesas e da economia nacional no mercado global. Se tal não acontece, estas empresas, impulsionadas pelos lobbys que as disputam na Comissão Europeia, acabam indo para outras praças da Europa, considerou o presidente do Governo Regional.

Recomendadas

Madeira: Câmara da Ponta do Sol aprova Orçamento para 2022 de 7,5 milhões de euros

Após ser aprovado com maioria em reunião de Câmara, com votos favoráveis do PS e abstenção do PSD, o documento segue agora para votação na Assembleia Municipal, a realizar- se no dia 9 de dezembro. 

Idade da reforma poderá baixar para 66 anos em 2024

Aumento da mortalidade provocado pela pandemia de Covid-19 está a reduzir a esperança média de vida em Portugal, pelo que a idade média da reforma vai baixar para 66 anos e quatro meses em 2023. No ano seguinte, em 2024, deverá baixar ainda mais, para 66 anos, interrompendo uma trajetória de subida que se verificava desde 2014.

Madeira recebe segunda Conferência da Macaronésia dedicada ao tema da transição ecológica e digital

Os temas discutidos em quatro painéis contam com a participação de membros dos governos e de organizações das quatro regiões da Macaronésia.
Comentários