CDS-PP pede que Governo duplique valor das linhas de crédito

O CDS-PP acredita ser preciso “duplicar o valor das linhas de credito e com uma percentagem significativa deste valor seja a Fundo Perdido”.

António Pedro Santos/Lusa

O líder do CDS-PP Francisco Rodrigues dos Santos sugeriu que o Governo duplicasse o valor das linhas de crédito, após reunião com o primeiro-ministro onde debateram o Programa de Estabilização Económica e Social.

Assim, os centristas acreditam ser preciso “duplicar o valor das linhas de crédito e com uma percentagem significativa deste valor seja a Fundo Perdido para que as empresas possam recorrer a ele sem temer endividar-se, ainda mais porque muitas delas já estão estruturadas em dívida”.

“Verificámos que os apoios que foram pedidos nesta altura já ascendem a dez mil milhões de euros, sendo que a verba disponível é na ordem dos 6,2 mil milhões. Portanto, o CDS-PP pretende” alargar para 12 mil milhões e que uma percentagem garantida pelo Estado seja a Fundo Perdido”, referiu Francisco Rodrigues dos Santos.

O CDS-PP pediu também o adiamento do pagamento de impostos até ao final do ano, uma vez “que as empresas vão iniciar agora a sua atividade e não estão em condições de pagar a dívida acumulada”. Francisco Rodrigues dos Santos admitiu serem necessários “mais recursos disponíveis para pagar salários” e as empresas “manterem a sua atividade económica.

Quanto ao lay off, O CDS-PP entendeu que “deveria ser estendido até ao final do ano” e recordou que “96% das empresas recorreram ao lay off, só em micro e pequenas empresas, que constituem a generalidade do tecido empresarial em Portugal”. “As linhas de crédito estão a falhar”, foi a justificação do líder dos centristas para a prolongação do lay off.

O CDS considerou ser importante “um ajustamento das tabelas de retenção na fonte, para aproximar o imposto retido, do imposto devido, aumentando assim os capitais das famílias para fazer face às suas despesas” e a criação de “um quadro fiscal que incentive o investimento”.

 

Ler mais
Relacionadas

Governo vira-se à direita no segundo dia de consultas sobre Programa de Estabilização

Oposição “reconhecida cá dentro e lá fora” de Rui Rio será posta à prova nesta terça-feira, com António Costa a receber PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e Chega para reuniões preparatórias do Programa de Estabilização Económica e Social que terminam com a delegação socialista.

Catarina Martins quer “lay-off” com salário pago a 100% e apoios urgentes antes do Orçamento suplementar

Coordenadora do Bloco de Esquerda também defendeu que empresas fiquem dispensados do pagamento por conta do IRC, estabelecendo um paralelismo com a intenção bloquista de proibir a distribuição de dividendos. “Os lucros do ano passado não devem servir de bitola para este ano”, defendeu no encontro na residência oficial do primeiro-ministro.

Líder do CDS-PP considera “extemporâneo e até insultuoso” discutir agora presidenciais

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, considerou hoje que discutir agora as eleições presidenciais é “extemporâneo e até insultuoso”, e recusou apontar um calendário para o partido debater o assunto.
Recomendadas

CDS anuncia mil novos militantes e desvaloriza saída de Borges Lemos

O partido de “Chicão” anuncia que contabilizou mais de mil novos filiados”, e desvalorizou a desfiliação do advogado Pedro Borges Lemos, afirmando “que não representava nada nem ninguém” no partido.
costa e marcelo

Marcelo vai “esperar para ver” resultado das negociações sobre aumento do salário mínimo

“É uma questão que envolve vários parceiros e, portanto, é prematuro estar a comentar aquilo que é um processo em curso”, declarou, na ilha do Porto Santo, arquipélago da Madeira, onde termina hoje um curto período de férias.

Marcelo espera que Portugal integre listas de países sem restrições a turistas até final do mês

O chefe de Estado vincou que o turismo está a aumentar, ainda que lentamente, e, por outro lado, salientou que a situação pandémica em Portugal tem evoluído positivamente, o que favorece o levantamento de restrições à circulação de pessoas.
Comentários