CDS propõe 20 novas estações de metro em Lisboa

Ou há ambição ou os problemas de mobilidade não se vão resolver, defendeu Assunção Cristas.

Cristina Bernardo

Assunção Cristas avançou no Parlamento que o CDS vai propor a construção de “20 novas estações de metro” em Lisboa. “É uma semana especial, uma semana de visita papal e eu quero ser especialmente construtiva”, começou por dizer a líder do CDS.

“Ou há rasgo, horizonte e ambição para o Metro de Lisboa ou os problemas da cidade de Lisboa não se vão resolver”, disse a líder do CDS no debate quinzenal. Assunção Cristas considerou que duas estações não chegam para resolver o problema da mobilidade na cidade e propôs alargar a rede do metro “para Belém, mas também para Loures”.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, ironizou: “Não achei muito leal aproveitar a ausência da senhora deputada Teresa Leal Coelho para este momento”, disse. A deputada do PSD, tal como a líder do CDS, é candidata à Câmara de Lisboa nas próximas eleições autárquicas.

António Costa sublinhou ainda que durante o mandato de Assunção Cristas no Governo, o metro perdeu “100 milhões de utentes”.

Relacionadas

Estação de metro de Arroios encerra até 2019

Obras, previstas terminar em janeiro, tem um custo previsto de mais de sete milhões de euros.

Expansão do metro com obras em 2019

Está previsto um investimento de cerca de 216 milhões de euros neste empreendimento, sendo a maioria financiada com recursos a empréstimos ao BEI.

Veja aqui como será o metro de Lisboa em 2022

Duas novas estações e uma linha circular. Conheça os planos de expansão do metro de Lisboa, apresentados esta segunda-feira.
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários